X: A Marca da morte | (+18)

 

Título: X: A Marca da morte

Direção: Ti West

Roteiro:  Ti West

Elenco:  Mia Goth, Jenna Ortega e Brittany Snow

Lançamento: 11 de Agosto de 2022





Sinopse: Em 1979, um grupo de jovens cineastas ousados tem a ideia de fazer um filme erótico na zona rural do Texas.
Eles decidem iniciar as gravações em uma fazenda que pertence a um casal de idosos solitários. No entanto, quando os proprietários descobrirem sobre o filme, uma perseguição sangrenta se inicia.

Crítica
Sabe aquele famoso clichê de que ter relações em filmes de terror é sentença da morte? Pois é, o filme X: A Marca da Morte eleva isso à décima potência.
O filme introduz muito bem seus personagens e de forma rápida também. O roteiro do filme é bem “Ok”: ele é bem conectado, têm muitas referências boas e piadas inteligentes. Mas, nada que nenhum outro filme slasher não tenha apresentado antes, da mesma fórmula. Nesse filme, os personagens desenvolvem a famosa “burrice” de filme de terror. Apesar do final surpreender alguns, o roteiro não guarda muita coisa que não seja previsível.
A atuação no filme é um pouco desbalanceada. Jenna Orteg e Mia Goth dão um show em X: A Marca da Morte e brilham muito em tela. Tirando os antagonistas, a atuação dos demais são boas, mas não excelente. Entretanto, o filme não exige uma atuação melhor. Contudo, sim, a interação dos personagens é muito engraçada, nada muito profundo, mas é legal de ver.
Logo, não espere por uma revolução no gênero, pois o filme não entrega isso. Como o roteiro não é o forte, além das atuações mencionadas, o que carrega o filme e o torna peculiar, com toda a certeza, é o visual. A fotografia está linda, mas o que muitos vão odiar, e poucos vão amar, é que o filme desiste de investir no gore e investe pesado no terror em cenas de sexo. Para adiantar, as cenas de morte são bem sem graça, mas o terror psicológico, durante as cenas de sexo, é extremamente forte e causa o mesmo efeito que algumas cenas de gore de outros filmes. As cenas podem causar um incomodo gigante, pois são muito visuais. A sensação é que foi o filme mais estranho que eu já vi.

X: A Marca da Morte é de chocar (e muito). Literalmente, saí da sala sem palavras. Ele não é o melhor filme da A24, mas para quem gosta de filmes como Midsommar, é um prato cheio. Para muitos, vai ser um filme para se sair muito desconfortável da sala de cinema e ver uma só vez, caso não saiba o que esperar. Portanto, não é para qualquer um, só para quem têm estômago.
Ele pode não ser um daqueles filmes cults com reflexões e ensinamentos, mas passa longe de ser esquecível por todo o choque que causa. Apesar dos pesares, X: A Marca da Morte é bem feito. E, para finalizar, para quem realmente aprecia esse tipo de filme, pode render o entretenimento e uma experiência pra lá de peculiar.

A Fera (2022)

 


Título: A Fera

Diretor: Baltasar Kormákur

Roteiro: Ryan Engle, Jaime Primak Sullivan

Elenco: Idris Elba, Sharlto Copley, Leah Jeffries, Iyana Halley. Anzor Alem

Classificação: 3.5/5

Sinopse: O viúvo Dr. Nate Samuels viaja à África do Sul, lugar onde ele conheceu sua esposa, com suas duas filhas adolescentes para uma reserva de caça. Mas o que começa como uma jornada de cura se transforma em um terrível luta pela sobrevivência quando um leão, sobrevivente de caçadores sedento por sangue que agora vê todos os humanos como inimigos, começa a persegui-los.

Crítica | O palestrante

 Título: O palestrante

Direção: Marcelo Antunez

Gênero: Comédia nacional

Elenco: Fábio Porchat, Dani Calabresa, Letícia Lima, Evandro Mesquita, Otávio Muller, Miá Mello, Paulo Vieira, Maria Clara Gueiros e mais...

Notinha: 4/5


SINOPSE:

Um homem que não encontra rumo na vida é confundido com um famoso palestrante motivacional. Ao tomar seu lugar, ele tenta achar uma razão para viver.

Resenha: Imperfeitos | Christina Lauren

Título: Imperfeitos
Autora:  Christina Lauren
Editora: Faro Editorial
Número de páginas: 256

Sinopse: Olive se sente como a gêmea azarada da casa: dos acidentes estranhamente inexplicáveis ao fracasso na vida profissional e amorosa ― nada dá certo para ela. Porém, parece que o jogo vira quando sua alergia a frutos do mar a protege de um desastre, já que todos os convidados da festa de casamento da irmã sofrem com intoxicação alimentar. Na verdade... nem todos. Ethan, o irmão do noivo, também ficou de fora desse pesadelo. Então, a irmã de Olive, sempre muito prática, propõe a eles que aproveitem a viagem de lua-de-mel, que não é reembolsável, para uma ilha do Havaí. Mas há um “pequeno” problema: Olive e Ethan são inimigos mortais.

 Há um passado entre eles que tornou a convivência impossível. Mas quem vai dizer não para essa viagem? Ainda mais de graça? Nem pensar! A ideia de ambos era ficar bem longe um do outro, mas a situação muda quando uma mentirinha boba vai crescendo e não podem voltar atrás. E dividindo a mesma suíte, entre farpas e sarcasmos, já se pode desconfiar.... onde tem raiva tem fogo? Com diálogos inteligentes e divertidos, dois personagens cativantes, e cenários de tirar o fôlego, Imperfeitos é o livro ideal para rir sem parar e ainda ver uma história de amor nascer no lugar mais improvável.

Resenha: Com que sonhos essas camisolas dormem? | Raquel Marinho

Título:  Com que sonhos essas camisolas dormem?
Autora: Raquel Marinho
Editora: Viseu
Número de páginas: 171

Sinopse: Uma obra repleta de ironia, com contos que denunciam como o ser humano é falho, que nos fazem refletir através dos atos de seus personagens e que seduzem o leitor aos sentimentos mais aflorados, nos deixando no abismo entre o amor e a raiva, entre a vingança e a empatia. Histórias que nos fazem duvidar de quem é a vítima e de quem é o culpado. Sem dúvidas, um livro que nos prende e nos deixa com gostinho de quero mais.