Resenha: O dia em que atirei no cupido | Jennifer Love Hewitt




                                                            Título: O dia em que atirei no cupido
Autora: Jennifer Love Hewitt
Editora: Seoman - Pensamento
Número de páginas: 180
Classificação: 

Sinopse:

Jennifer Love Hewitt revela neste livro sua sabedoria em relacionamentos obtida a duras penas e nos ensina como abraçar o amor com os dois pés no chão. Primeiro, temos que parar de acreditar no Cupido, e crer que o tradicional "felizes-para-sempre" não é uma meta fácil de atingir. De forma lúcida, irônica e honesta, ela nos conta como escolher o cara certo e dispensar os "errados"; além de narrar algumas verdades sobre o sexo oposto e listar dicas do que fazer após um rompimento, como se comportar antes de um encontro, os perigos dos namoros virtuais, e muito mais, usando sempre suas histórias como exemplos das experiências estranhas, engraçadas, loucas e gloriosas que vivemos em nossas relações amorosas.

Resenha:

Pessoal, esta resenha será um pouco diferente, afinal este não se trata de um livro de “ficção” (mas, também não o defino com “autoajuda”). É muito melhor que isso: é um relato, uma confissão pessoal (e que acaba tornando-se universal, porque, sendo homem ou mulher, não há como não identificar-se) da minha amada, minha musa, minha vida, a atriz Jennifer Love Hewitt, que idolatro de paixão (já disse isso?!).





Em ''O Dia em que Atirei no Cupido" Jennifer desbrava o mundo dos relacionamentos, assim como fizeram Candace Bushnell com seu inesquecível ''Sex and the City'' e Greg Behrendt e Liz Tuccillo, com o hilariante ''Ele simplesmente não está afim de você''. Entretanto, com este livro é diferente, pois sentimos realmente um toque de realidade. Ao contrario dos livros citados anteriormente  neste temos uma celebridade falando abertamente sobre problemas de relacionamento, o que, de alguma forma ,é um choque porque não estamos acostumados com isso: pessoas super famosas, que vão de relacionamento a relacionamento, e que falam sobre isso, e dão conselhos! E acima de tudo, possuem as mesmas inseguranças emocionais, quando se trata de relacionamento, quanto nós, que os vemos nas capas de revistas ou fugindo dos incômodos Paparazzi. 
   Jenny exorciza sua vida amorosa, e sabemos que muito já se escreveu sobre, algumas coisas verdadeiras, e a maioria mentira, e no livro ela nos conta o que aprendeu com as quedas, o sabedoria que obteve com namoros ruins, e ensina a abraçar o amor. Abraçar de verdade, amar de verdade. Revela coisas sábias como parar de acreditar nesse (maldito) Cupido, e sermos nós mesmos nosso próprio Cupido.
   ''Peça a pessoa que você vê no espelho que a ajude a sentir-se merecedora, e depois faça seu trabalho interior. Eu acho que você merece.''






Com tiradas inteligentíssimas, ''O Dia em que Atirei no Cupido'' ensina o que podemos colher de bons frutos, em uma relação ruim, ou melhor: não existe relação ruim, todas são degraus que nos leva a aprender o que realmente queremos em um relacionamento, não só o parceiro (a) ideal, mas nossa própria evolução para ser o parceiro ideal de alguém. Isso foi algo que achei bem legal: o grande problema de tudo, é que, por vezes, esquecemos que a palavra relacionamento significa união, comunhão, e acabamos que jogando isso nas costas do outro, o que é errado! Para se obter um relacionamento perfeito temos que trabalhar também, fazer a nossa parte, entender e balancear as necessidades do outro com os nossos.
   “(encontrar um amor) Não é como comprar um carro. Não se pode procurar um parceiro com uma lista de requisitos, dando um ‘ok’ para cada item que lhe agrada. Tem mais a ver com alguém que você respeite e que também respeite você.''
   Jennifer nos diz que é preciso parar de fantasiar em relação ao parceiro perfeito. Não se pode depositar suas expectativas irreais na outra pessoa, ninguém é perfeito. Devemos conquistar uma maturidade emocional para viver em um relacionamento saudável e prazeroso. 

“O que significa o amor?”

Quando alguém ama você  diz seu nome de um jeito diferente. A gente sabe que o nosso nome está seguro na boca da pessoa que nos ama... “Amor é o que faz você sorrir quando você está cansado.”

Mas, e vocês meus queridos? O que, para vocês, significa o amor? Eu tenho uma palavra: tudo. Comentem!


Por: Manoel Alves

9 comentários:

  1. Adorei a sua resenha Manoel, mas confesso que não é um tipo de leitura pela qual eu estou acostumada.. rsrsrsr.

    Xero!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu sou nova por isso ainda não tive tantas frustrações amorosas, para ser mais exata acho que nunca cheguei a amar alguém que não fosse minha família e meus amigos. Mas acredito que esse livro iria ser uma ótima aquisição, já que a leitura do mesmo parece ensinar a levar a vida de uma forma melhor com relação ao coração e ao nosso parceiro. Eu já achava o livro interessante, após o seu ponto de vista fiquei ainda mais curiosa.

    Abraços,
    Raquel.
    http://viajandoclivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Perfeito! Adorei a forma como você falou do livro e citou outros grande como 'Ele simplesmente não está a fim de você'. Fiquei muito interessada pela ideia de uma estrela, alguém que vive o sonho hollywoodiano estar falando tão abertamente de coisas que qualquer revista roda muitos quintais pra saber haha. Pretendo ler!!

    ResponderExcluir
  4. Uauuuu, Manoel adorei!!! Aguçou minha curiosidade, com certeza vai pra minha listinha!!!! rsrsrs...amei a resenha, parabéns!!! beijos,,,;)

    ResponderExcluir
  5. Olha que resenha excelente! Mesmo não sendo um livro do meu estilo achei interessante... Porque ela passa seus conselhos narrando uma história né? Gostei, achei bem diferente e interessante.

    ResponderExcluir
  6. Eu adoro essa atriz e deve ser muito legal ler o livro dela,por mais que eu não goste de auto ajuda,esse livro parece ser muito legal....

    quanto ao amor,esse conceito está meio confuso na minha mente agora.... kkkk

    bjsss

    Bianca

    http://www.apaixonadasporlivros.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Só pelo título, eu já gostei '-'
    kkkkkkkkkkkkkkkk

    Xerus, Gabi
    (http://abrindooslivros.blogspot.com/)

    ResponderExcluir
  8. Ela é diva demais, e eu não sabia que esse livro se tratava de um relato pessoal! *-*
    Pra mim era uma ficção que ela tinha produzido! Agora sabendo disso estou simplesmente louca por esse livro! =D
    O titulo dele já me interessava muitissimo, e a capa é meiga né?!
    Pretendo ler logo logo!
    Beijos ;*
    http://2bookgirls.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Bem, acho que o livro foi muito bem resumido na sua resenha, todos os bons conselhos estão aí descritos, basta segui-los.
    Abraços,
    Gisela
    @lerparadivertir
    LerparaDiverir

    ResponderExcluir