Resenha: Solitária | Alexander Gordon Smith



Título: Solitária
Autor: Alexander Gordon Smith
Editora: Benvirá
Páginas: 264
Classificação: 

Sinopse:

Quando mandaram a Sala Dois pelos ares, Alex, Zê, Gary e Toby acreditaram ter alcançado a tão desejada liberdade. Porém, o que parecia um sonho acabou se transformando em um de seus piores pesadelos. A explosão os jogou nas profundezas de Furnace. Nada de ar puro, apenas escuridão e labirintos de pedra. Com os guardas e o diretor da prisão em seu encalço, os garotos sabem que é uma questão de tempo até voltarem para a cela. O verdadeiro horror de Furnace só está começando. Recapturados, eles agora precisam encarar a solitária nada mais que um buraco no solo com apenas uma porta, trancada pelo lado de fora e vigiada pelos ternos-pretos e pelos temidos Ofegantes. Seu destino? Serem devorados pelos ratos que povoam as entranhas de Furnace, enlouquecer dentro da cela úmida ou... tentar escapar novamente.

Resenha:

   Alex pensou que a fuga seria a chance de tudo melhorar na sua vida. Ele perdera metade dos seus amigos para os ternos-pretos e os Ofegantes. Donovan foi capturado na Vigília Sangrenta e Alex retorna... direto para a Solitária.
   “Tenho uma confissão a fazer
Não sou uma boa pessoa.”
   Mas, um novo personagem se mostra interessado na mente de Alex, que se tornou famoso na prisão após a fuga. E eis que surge mais uma chance para ele e seu amigo Zê.
   Pensei que o livro seria mais barato, pelo fato deles estarem presos em locais separados. Mas o autor se mostrou capas de formas diálogos de uma forma incrível com reviravoltas e mistério do começo ao fim.
   “Quando você está apavorado – e com isso quero dizer realmente apavorado, não apenas com medo por ter escutado um ruído à noite ou de encarar alguém com o dobro do seu tamanho que quer jogá-lo no chão –, parece que a própria escuridão corre em suas veias. É como se uma água escura tão fria quanto o gelo se infiltrasse em seu corpo, onde antes costumavam estar em seu sangue e sua essência, extraindo todos os outros sentimentos de você, enquanto o consome dos pés à cabeça. Você fica oco por dentro.”
   Nesse livro também tem algo muito interessante, que sei que se mostrará uma grande proposta para a série: o fato de o diretor não ser o “cabeça” da prisão, e sim outra pessoa...
   Alex corre contra o tempo atrás de Donovan e outra saída para a fuga da prisão. Mas como fugir de um local que se mostra pior que o próprio inferno?
   “Não desista, Alex, não os deixe vencer. Você os venceu uma vez e pode conseguir de novo. Não deixe que este lugar os destrua.”
   O livro é muito bom mesmo. Recomendo a todos essa série (até por que ela não tem tanta divulgação quanto eu queria, ou seja, quero mais amiguinhos para comentar sobre os livros).

2 comentários:

  1. Adorei a sua resenha, de fato, nunca havia ouvido falar desse livro, mas depois de sua resenha irei procurar ler *-*
    Passando aqui para me desculpar pela ausência em seu blog, e dizer que estou voltando com o meu, espero por sua visita.

    Beijos, da sua antiga parceira Jaqueline
    http://misteriodaspaginas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Parece realmente uma boa série; percebi que ela é um pouco mais complexa e inteligente do que estamos acostumados, e isso realmente me atrai muito. Vou adicionar à minha lista de compras, estou precisando um livro ao mesmo tempo empolgante e inteligente...
    Parabéns pela resenha, ficou ótima!

    Abraços!!

    http://pecasdeoito.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir