Resenha: O Pacto | Joe Hill


Título: O Pacto
Autora: Joe Hill
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 317
Classificação: 

– Sinopse 

Ignatius Perrish sempre foi um homem bom. Tinha uma família unida e privilegiada, um irmão que era seu grande companheiro, um amigo inseparável e, muito cedo, conheceu Merrin, o amor de sua vida. Até que uma tragédia põe fim a toda essa felicidade: Merrin é estuprada e morta e ele passa a ser o principal suspeito. Embora não haja evidências que o incriminem, também não há nada que prove sua inocência. Todos na cidade acreditam que ele é um monstro.
   Um ano depois, Ig acorda de uma bebedeira com uma dor de cabeça infernal e chifres crescendo em suas têmporas. Descobre também algo assustador: ao vê-lo, as pessoas não reagem com espanto e horror, como seria de esperar. Em vez disso, entram numa espécie de transe e revelam seus pecados mais inconfessáveis.
   Um médico, o padre, seus pais e até sua querida avó, ninguém está imune a Ig. E todos estão contra ele. Porém, a mais dolorosa das confissões é a de seu irmão, que sempre soube quem era o assassino de Merrin, mas não podia contar a verdade. Até agora. Sozinho, sem ter aonde ir ou a quem recorrer, Ig vai descobrir que, quando as pessoas que você ama lhe viram as costas e sua vida se torna um inferno, ser o diabo não é tão mau assim. 

 Resenha 

Joe Hill era um dos autores que eu queria ler a um bom tempo. Além de Fantasmas do Século XXI – que infelizmente não gostei, talvez por se tratar de contos , ele escreveu O Pacto e A Estrada Noite, que chamou minha atenção e me fez querer imediatamente ambos. Porém, com todo o preconceito de meu pai com o nome e a capa, não tive como comprar... até a Bienal do Rio.
   O livro conta em 50 capítulos a estória de Ig Perrish, um bom samaritano que se vê acusado de matar sua mulher. Um ano após a tragédia, o caso policial está sem pistas que possam inocentá-lo ou acusá-lo, porém, toda a cidade o culpa e muitos desejam a sua morte.
   Numa noite de bebedeira, Ig acorda com chifres. As pessoas a seu redor passam a falar seus segredos mais escandalosos, esquecendo-se o que quer que tenham lhe contado, além d’ele conseguir persuadir a todos a fazer o que ele quer... ou quase todos.
   Os chifres se tornam parte dele. E não só os chifres, como outras habilidades “demoníacas” começam a se desenvolver junto à nova personalidade de Ig. Além de todo o processo de aceitação de ser o diabo em pessoa, ele ainda tem que lidar com o fato de que o irmão sabia quem era o verdadeiro assassino de Merrin e nunca contou a ninguém, até agora.
   O Pacto é um livro que fala sobre a nossa crença e fé em Deus. Ele julga os nossos atos diante das pessoas. É correto dizer que só porque achamos ter boas atitudes, estamos sendo certos? Qual seria o verdadeiro certo?
   É um bom livro para passar o tempo, dar boas risadas – pelo menos no começo – e ficar um pouco triste ao ver o final, apesar de ser um pouco confuso nas últimas 20 ou 30 páginas. Descobrimos que o autor – filho de Stephen King – pode ser tão cruel no final quanto o seu pai em suas obras (pelo que eu pude saber de amigos e resenhas, afinal, lerei meu primeiro livro do King esse ano – A Maldição do Cigano).

Por: Paulo Sergio.

Comente com o Facebook:

2 comentários:

  1. Que Blog Lindo!
    Seguindo e Curtido! Retribui?
    http://overdoselite.blogspot.com.br/2013/11/especial-na-minha-estante-autora.html
    https://www.facebook.com/overdoselite
    Bjus

    ResponderExcluir
  2. Duas coisas que eu não sabia, uma que Joe era filho do Stephen, e que o livro, mesmo que no início fosse capaz de nos arrancar alguns risos.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir