Resenha: Sábado à Noite | Babi Dewet



Título: Sábado à Noite
Autor: Babi Dewet
Editora: Generale
Número de Páginas: 323
Classificação: ★ ★ ★ ★  

Sinopse

Esta é a história de um amor jovem, verdadeiro e conflitante. Amanda é a garota mais bonita do colégio - e também a mais popular -, e seu melhor amigo faz de tudo para arranjar encrenca e só anda com os maus elementos do pedaço: os marotos. Por causa de um trabalho de Artes, Amanda acaba descobrindo que ela não é quem sempre achou que fosse. Ser a menina mais desejada talvez não seja tão bom assim...
Tudo ao seu redor começa a desmoronar quando uma paixão mal-resolvida volta à tona e sua lealdade é posta à prova. Seria um garoto mais importante que uma amiga? Como se não bastasse, o diretor da escola resolve promover bailes aos sábados e convida uma misteriosa banda mascarada para tocar. Os músicos, além de muito talentosos, conseguem mexer com todos, até mesmo com Amanda e suas melhores amigas.

Quanto mistério para um simples baile! Mas as letras das músicas cantadas pela misteriosa banda dizem muito sobre ela e seus amores... Como poderiam os músicos saber de tudo aquilo? Afinal, quem eram os mascarados de Sábado à Noite?

Resenha


Sábado à noite, primeiro livro da blogueira Babi Dewet, nasceu como uma finc [vamos fazer um parentese aqui caso alguém não saiba o que é uma finc (Fanfic é a abreviação do termo em inglês fan fiction, ou seja, "ficção criada por fãs", mas que também pode ser chamada de Fic. Trata-se de contos ou romances escritos por terceiros, não fazendo parte do enredo oficial- fonte wikipedia)] voltada para os fans de McFly lá pelos idos de 2006. nessa época eu resumia minha leitura de fanfics as de Harry Potter e não "conhecia" a
banda nem tinha qualquer conhecimento no alvoroço que essa história causou nos leitores da época.

No meio do ano passado enquanto passeava pelos blogs acabei caindo no vídeo resenha do SAN 2 feito pela Pam do Garota it. Não sei vocês, mas quando falam de autores nacionais eu sempre tenho vontade de conhecer e de dar aquela força comprando o livro - é meio como dizer: olha aqui, eu contribui para que a editora confie no seu talento e que a quantidade de exemplares vendidos não se torne uma desculpa!
E com SAN foi assim. Comprei o livro e coloquei ele cuidadosamente na minha estante... só que passei várias leituras na frente. :(
E me arrependi.

A história de SAN acontece num ambiente já tão "manjado" no meio literário que nem dá pra acreditar que ele é diferente: uma escola (na maior parte do tempo)e retrata jovens populares, não populares, times de futebol grupinhos, desavenças...
Pegue qualquer livro/filme adolescente e você encontrará essas características.

Em sábado a noite somos apresentados a dois grupos de amigos: as populares Amanda, Guiga, Anna, Carol e Maya e os marotos Daniel, Bruno, Caio, Fred e Rafael.
Logo no começo do livro ficamos sabendo que os dois grupos não são muito amigos e que "um abismo social" marcado pela popularidade das meninas e do pouco caso com o reconhecimento escolar dos meninos atrapalham também a vida amorosa dos dois lados.
Só que devido a um trabalho escolar, os dois grupos acabam sendo obrigados a formar duplas e a trabalharem juntos fazendo-os conviver e, de um certo modo, a vencer alguns preconceitos que tinham.

Além da convivência forçada com os marotos, as meninas ainda tem que se esforçar para descobrir quem são os integrantes da banda que toca no baile, promovido pela escola, todo sábado à noite.

Nesse ponto já sabemos que o grande casal do livro é formado pela Amanda e pelo Daniel que sentem na pele que ser popular ou ser um maroto não é tão divertido quando os impede de ficar junto.


De uma forma inteligente, Babi acaba inserindo um pouco mais de profundidade ao livro quando coloca a amizade também como um impedimento ao amor dos dois levando o mote do livro a uma questão comum quando se é adolescente: Amor versos/e Amizade.

O livro me conquistou por vários motivos e me irritou por um.
Explico.

SAN é repleto de referencias nerd's e de músicas legais -inclusive, recomendo ter sempre o celular por perto quando for citada alguma música, porque vale o play para acompanhar a leitura -, os personagens masculinos são fofíssimos (gostaria que tivessem existido na minha escola quando eu tinha meus 16 anos) e a escrita te faz querer saber o final mais rápido do que você consegue ler.
E me irritou porque não consegui simpatizar com a ~chata~ da Amanda. Ela me lembrou bastante uma outra protagonista confusa: a Kelsey dos livros da Maldição do Tigre. Ambas me fazem ter vontade de entrar na historia e dar uns tapas como nesse meme aqui ó:



Além de tudo, o final também me fez ficar doida como nos livros da Paula Pimenta. Não queria ser nem a Fany nem a Amanda nas mãos de suas respectivas criadoras.

Com uma inusitada mistura do universo escolar "americano" com o que nós aqui da terrinha tupiniquim estamos acostumados, Babi Dewet conseguiu construir uma historia divertida e leve que prende o leitor do inicio ao fim atiçando a curiosidade sobre o que SAN 2 apresentará.


Obs1: Finalmente um livro nacional com folhas amarelas que não agridem nossos olhinhos <3
Obs2: Tenho dó dos que acompanharam a história ainda como Fic e tinham que esperar alguns dias entre os capítulos para querer matar a Amanda.



                                             Por: Odyle Torres
Fanpage do blog



2 comentários:

  1. Awnn que bom que gostou do livro, isso me deixa muito feliz. Sim, Amanda é um pé-no-saco, mas muitas adolescentes são confusas e ainda não sabem o que sentem direito, certo? Em SAN2 ela melhora bastante, prometo!
    Ovrigada pelo carinho,

    beijos

    Xx
    Babi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Babi!
      Gostei mesmo! Também fiquei animada pra ler SAN2 ainda mais com vc falando que ela melhora rsrs!
      ;)

      Excluir