Resenha: A Morte de Sarai | J.A. Redmerski


Título: A Morte de Sarai
Editora: Suma de Letras
Autora: J.A. Redmerski
Editora: Suma de Letras
Número de páginas255
Classificação★★★★
SinopseSarai era uma típica adolescente americana: tinha o sonho de terminar o ensino médio e conseguir uma bolsa em alguma universidade. Mas com apenas 14 anos foi levada pela mãe para viver no México, ao lado de Javier, um poderoso traficante de drogas e mulheres. Ele se apaixonou pela garota e, desde a morte da mãe dela, a mantém em cativeiro. Apesar de não sofrer maus-tratos, Sarai convive com meninas que não têm a mesma sorte. Depois de nove anos trancada ali, no meio do deserto, ela praticamente esqueceu como é ter uma vida normal, mas nunca desistiu da ideia de escapar. Victor é um assassino de aluguel que, como Sarai, conviveu com morte e violência desde novo: foi treinado para matar a sangue frio. Quando ele chega à fortaleza para negociar um serviço, a jovem o vê como sua única oportunidade de fugir. Mas Victor é diferente dos outros homens que Sarai conheceu; parece inútil tentar ameaçá-lo ou seduzi-lo. 
Resenha –

Se você vai ler A Morte de Sarai, esqueça os personagens bonzinhos como mocinho e a mocinha, esqueça o correto, esqueça o romance tradicional e fofo, pegue a pipoca, sente-se em algum lugar confortável e prepare-se para ver um filme. Vocês leram exatamente isso!, não escrevi errado não, essa leitura foi um ótimo filme. A Morte de Sarai é rápido, sem tempo para respirar ou pensar demais, é acelerado, como um filme de ação. 

Sarai era uma pessoa normal até seus 14 anos, quando foi levada pelo namorado de sua mãe para viver no México, conhecido como Javier  um poderoso chefão de tráfico de drogas e de mulheres. Javier se apaixona pela garota depois da morte de sua mãe, onde a faz viver em cativeiro e a cuidar da sua maneira.

Sarai nem sabe mais o que é ter uma vida normal, nem vê a chance de escapar viva daquele local, até que um americano aparece e lhe inspira uma certa confiança. Victor é um assassino de aluguel, uma pessoa treinada para matar desde muito cedo, mas pode ser a chance da tanta sonhada liberdade que Sarai tanto esperou. Será que ele vai ajudar?

"Temo que eu não seja bom em ser um ombro para chorar."
 "Então no que você é bom?" Pergunto. "Além de matar pessoas, é claro."
Victor, apesar de não ser o mocinho "convencional", acaba conquistando a gente. O mais legal do livro é isso. Você tem que ter a cabeça aberta pra fugir do que é o certo. Afinal, como gostar e torcer por um cara que é um assassino?  
"Como alguém pode passar a vida tão clandestinamente, sem emoção, tão desapegado por alguém ou alguma coisa? Quando eu olho nos seus olhos eu vejo alguma coisa lá, embora adormecida e completamente indistinto, eu sei que ele está lá. E é poderoso. Quero entendê-lo, senti-lo, prová-lo em meus lábios."
Apesar de ser um gênero New Adult e ter o crescimento do sentimento dos personagens, a história foca também nos segredos, na fuga e na vingança.
"- Há uma grande diferença entre medo e incerteza, Sarai. Você não tem medo de nada, mas está incerta sobre tudo."
O final é  super sensacional, eletrizante e rápido. E nos deixa ansiosos para a continuação.

Super recomendo!

0 comentários:

Deixe seu comentário