Resenha: Jurassic Park | Michael Crichton

Título: Jurassic Park
Autor: Michael Crichton
Editora: Aleph
Número de páginas: 528
Classificação: ★★★★★
Sinopse: Uma impressionante técnica de recuperação e clonagem de DNA de seres pré-históricos foi descoberta. Finalmente, uma das maiores fantasias da mente humana, algo que parecia impossível, tornou-se realidade. Agora, criaturas extintas há eras podem ser vistas de perto, para o fascínio e o encantamento do público. Até que algo sai do controle. 





– Resenha –

É impossível não relacionar um livro a sua adaptação, principalmente quando a leitura é realizada após o filme ter sido assistido. A resenha se trata então exclusivamente do livro, sem qualquer outra analogia ao filme Jurassic Park – dirigido por Steven Spielberg.

   O livro começa introduzindo a empresa InGen e a compra de uma ilha na Costa Rica, tecnologia avançada e âmbar. O dono da empresa, John Hammond, convida seus colaboradores para uma visita a Isla Nublar, onde um parque foi construído.
   O grupo de pessoas conta com o paleontólogo Alan Grant, a paleobotânica Ellie Sattler, o matemático Ian Malcolm (que prevê o fracasso do parque) e o advogado de Hammond, Donald Gennaro. Para completar, Hammond convida também seus netos, Lex e Tim.
  Na ilha, eles descobrem que Hammond conseguiu o DNA de dinossauros através de mosquitos que picaram dinossauros e ficaram presos em âmbar por milhões de anos. O parque, montando com grandes cercados, é visitado através de carros guiados, que mostram o incrível mundo que o empresário construiu. Ao término da visitação – após o aparecimento de vários dinossauros, entre eles a grande estrela, o Tiranossauro Rex – o grupo deve voltar ao Centro de Visitantes, e é então que as coisas saem do controle.
 Uma tempestade ameaça o parque, as cercas elétricas param de funcionar e as linhas telefônicas são cortadas. A única coisa que resta a todos é fugir.




   O livro é muito bem construído em todos os sentidos, desde a caracterização dos personagens ao debate da genética, matemática e a ciência como um todo. Os personagens se mostraram até mesmo um pouco diferentes em relação ao filme e há também uma maior descrição da sanguinolência, que leva o leitor a imaginar cenas e cenas de uma forma muito mais agressiva do que se fosse vista na tela do cinema. A editora fez uma edição incrivelmente detalhada e bonita, apenas aumentando a vontade de leitura de qualquer um a cada página. Jurassic Park consegue ser tocante e agressivo. Se espremêssemos o livro, sairia sangue.








– Quote –

“Acima da trilha, uma placa rústica pintada à mão dizia: ‘BEM-VINDO AO JURASSIC PARK’.”

– Página 116.

0 comentários:

Deixe seu comentário