RESENHA: A CABANA | WILLIAM P. YOUNG


Título: A Cabana
Autor: William P. Young
Editora: Sextante
Número de páginas: 236
Classificação: ★★★★
Sinopse: A filha mais nova de Mackenzie Allen Philip foi raptada durante as férias em família e há evidências de que ela foi brutalmente assassinada e abandonada numa cabana. Quatro anos mais tarde, Mack recebe uma nota suspeita, aparentemente vinda de Deus, convidando-o para voltar àquela cabana e passar o fim de semana. Ignorando alertas de que poderia ser uma cilada, ele segue numa tarde de inverno e volta ao cenário de seu pior pesadelo. O que encontra lá pode mudar sua vida para sempre.


             
 – Resenha

Este é um livro para os fortes. Atenção, se você é uma pessoa tão sensível quanto eu, só leia quando estiver em casa e, de preferência, com uma caixa de lenços de papel à mão.

   Lançado em 2009, A Cabana esteve por um bom tempo em primeiro lugar na lista dos mais vendidos do The New York Times e foi um grande sucesso também nas livrarias brasileiras.

   O que se pode esperar de uma bela viagem em família ao lago para acampar? Tudo, menos o triste desfecho dessa história. Mack, sua esposa e os três filhos estão felizes por passarem um tempo tão agradável juntos, as crianças brincam livremente e tudo corre bem. De repente, o casal de filhos mais velhos tem um problema com a canoa e Mack precisa correr o mais depressa possível, mergulhar no lago e socorrer as crianças. Quando todos estão refeitos do susto é que se dão conta de que a pequena Missy não está entre eles.

   A polícia é acionada, a menina é procurada pela família e por todos do acampamento, porém nem sinal de Missy. Até que os policiais encontram um grampo de joaninha e dão a triste notícia aos pais. Segundo eles, a menina teria sido levada por um assassino procurado, conhecido por deixar essa mesma pista no local do rapto de suas vítimas, todas meninas pequenas como Missy.

   Foi um choque para toda a família e, mesmo 4 anos depois, a morte da menina não foi superada, principalmente por seu pai, que se culpa profundamente por ter tirado os olhos de Missy naquele dia. Então, em um dia de inverno rigoroso, ele recebe um estranho bilhete convidando-o a retornar à cabana em que foram encontradas ensanguentadas as peças de roupa que sua filha usava no dia em que fora raptada.

   Quando Mack resolve aceitar o convite como um desafio, ele viaja até a Cabana, mas nunca poderia imaginar quem o estaria esperando. Como prometido no bilhete assinado por Papai, Deus, Jesus e o Espírito Santo estão à sua espera para um “acerto de contas” inesperado.

   As três divindades se apresentam da maneira mais simples, singela e acolhedora possível. Mack é conduzido em uma reflexão profunda que irá fazê-lo visitar o ponto mais crítico de sua dor, compreender os planos de Deus e libertá-lo das mágoas que ainda ferem seu coração. Enfim, ele irá aprender como perdoar e se curar para que seja capaz de seguir em frente. Este encontro irá transformar sua vida para sempre.

   Com um diálogo riquíssimo e emocionante, recomendo este livro para todos aqueles que desejam se libertar e encontrar respostas para suas aflições pessoais.



Boa leitura (e muito choro)!

8 comentários:

  1. Esse livro.. Não tem palavras pra descrever esse livro.. Simplesmente lindo
    Só quero ver como vai ficar a adaptação pro cinema.
    Beijos
    http://balaiodebabados.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luiza. Nem me fale, acho que chorarei litros. #estoquedelençosdepapel

      Excluir
  2. Olá Natasha,
    Faz muito tempo que li esse livro. Foi quando eu estava começando a ler e lembro de ter gostado muito das primeiras partes, mas depois me decepcionei. Confesso que, ao ler sua resenha, senti uma coisa que até então não tinha sentido: Vontade de reler o livro. Talvez com uma releitura eu possa ver as coisas por ângulos diferentes e gostar mais dela.
    Adorei a resenha!
    Beijão - Tão doce e tão amarga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thamiris, que ótima notícia. Eu entrei no mundo da literatura muito nova e mergulhei de cabeça em leituras que, as vezes, não tinha maturidade para entender completamente. É impressionante como enxergamos a história de angulo totalmente diferente quando pegamos o mesmo livro uns aninhos mais tarde. Boa releitura!

      Excluir
  3. Oi Nathasha!

    Dificil ver alguém que goste deste livro, foge bastante do que mais está na mídia, pelo menos por aqui... Eu amei! Concordo com vc, deixe os lenços preparados, hehehe. Achei muito emocionante e bem escrito. Adorei a resenha, me deu até arrepios relembrar esta bela história. =)

    Bjs!
    CarinaPilar.com | ...e a paixão pelos livros!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Carina. Existem livros que deixaram a mídia para trás, mas do coração eles não saem nunca. Além do mais, tem uma variedade de livros impressionante que nem chega perto da popularidade, mas são histórias tocantes e emocionantes que valem muito a pena arriscar ser o primeiro do seu grupinho de leitura a ler e compartilhar!

      Excluir
    2. É verdade, Carina. Existem livros que deixaram a mídia para trás, mas do coração eles não saem nunca. Além do mais, tem uma variedade de livros impressionante que nem chega perto da popularidade, mas são histórias tocantes e emocionantes que valem muito a pena arriscar ser o primeiro do seu grupinho de leitura a ler e compartilhar!

      Excluir
  4. Eu, mesmo não sendo católico ou cristão (sou o tipo de pessoa pagã que acredita em todo tipo de força, seja ela boa ou ruim) fiquei apaixonado pela história do livro e muito mais do que isso, amei a forma que foram representadas as divindades sem o mesmo padrão de sempre. Esse é um livro que eu lerei mais vezes e que recomendo para qualquer um, não importa a religião ou crença. Adorei seu blog, já adicionei nos favoritos.
    Meu Blog: www.umcontainer.com

    ResponderExcluir