Resenha: Senhora | José de Alencar



Título:  Senhora
Autor:  José de Alencar
Editora: Martin Claret
Número de páginas: 235
Sinopse: Uma moça de origem humilde, órfã de pai e posteriormente de mãe, torna-se uma das mulheres mais desejadas e admiradas do Rio de Janeiro, após receber uma herança inesperada. Bela, altiva, fria e decidida, Aurélia Camargo tem agora toda a autonomia de que precisa e resolve usar o seu poder para comprar um ... marido! Para algumas mulheres, Aurélia é certamente uma feminista entre o público masculino, fria, calculista e sem coração; para o valores sociais da época, de um comportamento absolutamente escandaloso! Espelho da decadência de valores da sociedade brasileira durante o Segundo Império, Senhora representa o auge do romance urbano de José de Alencar. Como má metáfora da alta apreciação de valores fúteis, como o luxo, a ascensão social, o desejo. o orgulho e a ambição,  o romance de Alencar transcende-os com a inspiração do amor romântico.

Poderá o amor vencer a mágoa e o orgulho para que possa ser pleno a vida dessa personagem?


– Resenha –

Trago a resenha desse livro e vejo ela como uma nova proposta de leitura para quem acompanha as resenhas do O Clube da meia noite. Uma leitura nacional clássica. Confesso que não o li por iniciativa minha, e sim por leitura obrigatória da escola, porém ler algo diferente foi de muita importância, assim acredito que possa ser para mais alguém.

Por ser um livro dos anos de 1800 a realidade da sociedade é bem diferente da atual, tanto quanto a linguagem usada para escrever um livro. Bem Aurélia quer comprar um marido aos olhos de hoje isso já pode parecer estranho, e imagine como seria a impressão da época. Com certeza José Alencar tinha visão da força feminina, Aurélia tem grandes características contemporâneas.

Aurélia depois de enriquecer sempre se lembra das épocas ruins vividas e é uma boa pessoa, mas parece se deixar levar pelo amor e orgulho PARECE, ao longo do livro percebemos as grandes lições que nos deixa. Eu recomendo a leitura pelas lições que podem ser retiradas. #girlpower 


0 comentários:

Deixe seu comentário