Resenha: A Desconstrução de Mara Dyer | Michelle Hodkin


Título: A Desconstrução de Mara Dyer
Autor:  Michelle Hodkin
Editora:  Galera Record                                                  Número de páginas: 378
Classificação:   
SinopseUm grupo de amigos... Uma tábua ouija... Um presságio de morte. Mara Dyer não estava interessada em mensagens do além. Mas para não estragar a diversão da melhor amiga justo em seu aniversário ela decide embarcar na brincadeira. Apenas para receber um recado de sangue. Parecia uma simples piada de mau gosto... até que todos os presentes com exceção de Mara morrem no desabamento de um velho sanatório abandonado. O que o grupo estaria fazendo em um prédio condenado? A resposta parece estar perdida na mente pertubada de Mara. Mas depois de sobreviver à traumática experiência é natural que a menina se proteja com uma amnésia seletiva. Afinal, ela perdeu a melhor amiga, o namorado e a irmã do rapaz. Para ajudá-la a superar o trauma a família decide mudar para uma nova cidade, um novo começo. Todos estão empenhados em esquecer. E Mara só quer lembrar. Ainda mais com as alucinações - ou seriam premonições? - Os corpois e o véu entre realidade, pesadelo e sanidade se esgarçando dia a dia. Ela precisa entender o que houve para ter uma chance de impedir a loucura de tomá-la


Resenha
Já começamos o ano com o pé direito.

Que grandiosidade esse livro, quando eu achava que ia deduzir o que ia acontecer, parecia que autora estava dizendo na minha cara " te enganei". E essa capa? Tão clean e tão artística, daquele tipo que dá uma apreensão só de ver.


Mara é uma das personagens mais diferentes que já li, ela é uma garota tão comum, como eu e você. Mesmo fragilizada pelo trauma, ela tenta que isso não atrapalhe a vida de sua família, e isso só prova que ela não é egoísta como alguns personagens femininos por aí. A todo momento tentar se manter sã, beirando a realidade,e alucinação, com a  mente sempre conturbada e pregando peças por onde ela passa. Ela tenta dizer a si mesma, que mesmo que seja louca, ela não pode deixar se afetar por isso. Então ela passa por uma luta contra sua própria mente, para lembrar de todos os fatos que a perturbavam em o seu sonho.

Mas agora todos os retratos estavam à direita. E as portas francesas à esquerda.
    Um livro que fala de assuntos como TEPT e antipiscoticos, com leveza e que garantem ao leitor; que se você tem um problema deve buscar ajuda, e nem sempre significa que o que você pensa a respeito de si mesmo é verdade, ou seja, nem somos tão loucos como parece. É um agrado, e não se fala de todo estresse e de uma possível doença como se quisesse levar o entendimento didaticamente, mas apenas que o leitor viva em conjunto com a personagem principal o que ela passa, e como isso a afeta. E incrivelmente adorei como a autora entrelaçou com todas as outras características da trama, como o suspense e o romance.
       Voltei para o corredor. Tudo estava no devido lugar.
   Em todo o livro ela viveu sendo perturbada pelo passado,e principalmente por Jude, seu ex- namorado. E que veio comparando com o cara que ela achava terrivelmente lindo,Noah Shaw, diferente de alguns personagens que adoram se gabar de quantas mulheres pegou, Noah soa diferente, mesmo com o olhar prepotente e sorriso malicioso de canto .Contudo, Mara sabia que ele era estranhamente reconfortante pra ela. E me surpreendeu a relação dos dois. Por ser um galinha,esperava bem menos do Sr. Shaw, mas na verdade a relação dos dois cresceu aos poucos com mais carinho e segurança do que qualquer outra coisa, com a pitada do ódio/ melodrama adolescente.
  
 Jamie, Joseph e Daniel foram personagens de peso neste 1º livro, eles trouxeram o equilíbrio emocional que Mara precisava, e ao mesmo tempo, fortaleceu o quanto a estória poderia ter sido baseada em fatos reais, e tornavam o cotidiano mas comum e menos perturbador com sátiras e trambiques organizado  pelos irmãos e pelo amigo.
Daniel esperou por mim, e fiquei aliviada pela fulga.
 O livro é gostoso de ler, mesmo com toda tensão. É muito fácil sair da plataforma em que se está e viajar pela história do mesmo. Li em uma noite, voando. E já estou querendo entender melhor. Como o título já diz, é sobre Dyer,e nele vemos toda a sua evolução. Até agora nem estamos nem da metade que essa menina ainda pode render de conto.

1 comentários: