Resenha: Onde Cantam os Pássaros | Evie Wyld

onde_cantam_os_passarosTítulo: Onde Cantam os Pássaros
Autor: Evie Wyld
Editora: Darkside
Número de páginas: 251
Classificação
Sinopse: Jake Whyte vive sozinha em uma velha fazenda, em alguma ilha britânica anônima, um lugar de chuvas incessantes e ventos violentos. Apenas ela, seu companheiro indomado, Cão, e um rebanho de ovelhas. Mas algo tem vindo atrás dos animais – de tempos em tempos algo surge à noite, arrebata uma ovelha e a faz em pedaços. Poderia ser qualquer coisa. Há raposas na mata, um rapaz estranho e um homem esquisito, rumores sobre uma fera obscura e formidável. E há o passado desconhecido de Jake, talvez invadindo seu presente, uma história escondida há anos e há milhares de quilômetros, em uma paisagem de cores e sons diferentes. Uma história contada nas cicatrizes que cobrem suas costas.


– Resenha 

Nunca julgue um livro pela capa. Essa talvez seja uma das frases mais conhecidas quando queremos muito algum livro e nem mesmo chegamos a ler a sinopse. Por conta disso, a resenha será separada em três partes, sendo elas a edição, história e os pontos positivos e negativos.


   A edição é incrível. Como de praxe da editora Darkside, o acabamento é ótimo. Com uma capa dura em tons rosas e detalhes remetidos a história, o livro chega a hipnotizar. A borda das folhas em preto também chama a atenção e ainda conta com uma fita como marcador. Ovelhas aparecem na primeira e última página, mas com um pequeno detalhe: uma não está lá, sendo ocupada apenas por um espaço branco.


   O livro relata a vida de Jake, uma mulher que tenta fugir dos demônios de seu passado e que teve de lidar com muito até ter chegado onde está. Sua história tem um progresso lento que por vezes se faz monótomo, caracterizando um drama psicológico. Não é incomum as inúmeras menções a pássaros presentes na fauna Australiana, o que dá um toque diferente ao livro. Jake é uma mulher reclusa, cuidando pacientemente de suas ovelhas e suportando a falta de pessoas em sua vida, até o momento em que uma de suas ovelhas é morta e ela passa a sentir que algo a está vigiando.
   A história é um contrapeso. E vou explicar por que. O livro narra duas estórias, com a mesma protagonista: os capítulos ímpares mostram uma sequência do presente (ou seja, é o que de fato está acontecendo), enquanto os capítulos pares mostram uma ordem regressa do passado (o que funciona como uma espécie de lembrança). Para ter uma ideia melhor, a ordem de leitura correta (mas não a indicada) seria como algo mais ou menos assim: 2, 4, 6, 8, 10. E então 9, 7, 5, 3, 1. Esse segundo tipo de relato lembra o filme Amnésia, de Christopher Nolan.


   O ponto positivo fica por conta da inovação na narrativa, diferente de muitos outros livros com histórias já conhecidas no meio de tantas sagas distópicas e etc. Não se trata de um livro inovador, apenas um que foge desses gêneros atuais.
   Como tudo tem outro lado da moeda, o ponto negativo fica por conta da revisão e também da história. No primeiro quesito, a Darkside pecou em várias palavras erradas ao decorrer da narrativa. Já o segundo ponto se dá devido a maneira em que a história é contada. Apesar de inovador, como já dito, o leitor se perde em alguns momentos por conta dos grandes intervalos de tempo que os capítulos pares apresentam. Ambos os finais (sequência do presente e ordem regressa) não tem de certa forma um final, apenas um relato que funciona como ponto de continuação da história.
   Ainda assim, Onde Cantam os Pássaros tem um diferencial e se mostra um desafio para quem procura uma leitura fora  do padrão.

2 comentários:

  1. Darkside cometendod erro de revisão? Essa é nova pra mim. E realmente, a capa é bem diferente! Se eu olhasse rápido numa livraria eu ia achar que era um daqueles cadernos de desenho, como da marca Cícero. A história não me pareceu muito envolvente mas achei criativa a estratégia da narrativa :)

    Um Metro e Meio de Livros

    ResponderExcluir
  2. Nossa que ordem de leitura... diferente kkkkk'

    www.maisumleitor.com

    ResponderExcluir