Resenha: A Estrada da Noite | Joe Hill

Título: A Estrada da Noite
Autor: Joe Hill
Número de páginas: 254
Classificação: 
Editora: Arqueiro

Sinopse: Uma lenda do rock pesado, o cinqüentão Judas Coyne coleciona objetos macabros: um livro de receitas para canibais, uma confissão de uma bruxa de 300 anos atrás, um laço usado num enforcamento, uma fita com cenas reais de assassinato. Por isso, quando fica sabendo de um estranho leilão na internet, ele não pensa duas vezes antes de fazer uma oferta.
"Vou 'vender' o fantasma do meu padrasto pelo lance mais alto..."
Por 1.000 dólares, o roqueiro se torna o feliz proprietário do paletó de um morto, supostamente assombrado pelo espírito do antigo dono. Sempre às voltas com seus próprios fantasmas - o pai violento, as mulheres que usou e descartou, os colegas de banda que traiu -, Jude não tem medo de encarar mais um.
Mas tudo muda quando o paletó finalmente é entregue na sua casa, numa caixa preta em forma de coração. Desta vez, não se trata de uma curiosidade inofensiva nem de um fantasma imaginário. Sua presença é real e ameaçadora.
O espírito parece estar em todos os lugares, à espreita, balançando na mão cadavérica uma lâmina reluzente - verdadeira sentença de morte. O roqueiro logo descobre que o fantasma não entrou na sua vida por acaso e só sairá dela depois de se vingar. O morto é Craddock McDermott, o padrasto de uma fã que cometeu suicídio depois de ser abandonada por Jude.

                                         – Resenha –

Só pela sinopse já percebemos que o nosso querido Judas Coyne (Jude, pros mais chegados) ostenta um título de "boy trevoso" através de sua fantástica coleção de coisas supostamente amaldiçoadas, ou com alguma ligação com o sobrenatural. E porque não aumentar essa maravilhosa coleção com um lance de 1000 dólares num leilão de internet pra ser o sortudo proprietário de um paletó assombrado? Claro, vamos nessa!
Alguns dias depois, sua mais nova aquisição chega em uma caixa preta em formato de coração (ouvindo Heart Shaped Box do Nirvana, em homenagem a esta linda cena), e coisas estranhas começam a acontecer no recinto. Termostato quebrado, rádio ligando sozinho, e visões de um suposto senhor sentando em uma poltrona, com um chapéu repousando em seus joelhos e vestindo um paletó que para Jude, era bem familiar.

O livro é inteiramente narrado em terceira pessoa, e dividido em quatro partes, onde veremos Jude e sua namorada Geórgia tentando se livrar do fantasma de Craddock. Mas se vocês acham que tudo se limita a apenas uma simples perseguição de um fantasma preso em uma peça de roupa, estão enganados. Jude é um astro do rock aposentado, que não lança um novo disco a um bom tempo – fora a conturbada infância com o pai – que agora está sendo perseguido por um fantasma. Logo, esse é apenas mais um dos fantasmas que ele já tem para carregar.
Os personagens são perfeitamente humanos, com seus traumas e complicações, o que particularmente, acho incrível para um livro de terror. A exploração e definição psicológica que o autor fez para os personagens deixa tudo bem mais interessante. E considerando a idade, os problemas e a condição do protagonista, já os adianto: podem esperar palavrões, gírias em excesso, gestos e pensamentos obcenos. Tudo para ressaltar a identidade singular do nosso "boy trevoso", nervosinho e impaciente Judas Coyne.

Quanto aos prós e contras: o livro é incrível. Em algumas partes do livro, Jude começa a ter alucinações, e as coisas pra ele deixam de fazer sentido... Assim como pra nós. Essa aproximação entre leitor e personagem, vejo como algo incrivel.
Porém... Com todo esse assunto de fantasmas do passado, e perseguição, o tema "terror" não é exatamente o centro, como deveria ser. Eu diria que o livro é mais de suspense do que terror em si, o que torna a história mais reflexiva do que amedrontadora.

Agora me diga você. Gostaria de dar uma volta na estrada da noite?

2 comentários:

  1. Sempre pegava esse livro na mão (principalmente pela capa) e devolvia ele. Até que finalmente comprei ele e agora é a minha próxima leitura. Espero gostar tanto quanto você gostou.
    Infelizmente, apesar de amar o gênero terror (mesmo sendo muito medrosa), não consigo me apegar muito a livros desse estilo. Li recentemente a Casa Assombrada do John Boyne e de novo quebrei a cara. Tenho um pouco de medo que vá acontecer isso com esse também...
    Mas você disse que depois de um determinado momento o personagem principal começa a ter alucinações, isso me anima bastante, pois tenho bastante interesse por esses assuntos. Vamos ver no que dá.

    Estou com um novo projeto no blog. Passe lá e veja se gosta. Além de que a primeira resenha desse novo projeto saiu hoje. Vou deixar os links aqui se você tiver interesse.
    Abraços!

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com.br/2016/04/novidades-e-sugestoes.html
    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com.br/2016/04/debate-cego.html

    ResponderExcluir
  2. Faz muitos anos que comecei a ler, mas nunca terminei. É um dos meus livros abandonados :/ Fiquei até com vontade de dar uma segunda chance pra ele kkk quem sabe né?

    http://nuvemdenovembro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir