Resenha: A Viajante do tempo | Diana Gabaldon

Título: A Viajante do Tempo
Autor: Diana Gabaldon
Editora: Saída de Emergência Brasil
Número de páginas: 800
Classificação: 
Sinopse: Em 1945, no final da Segunda Guerra Mundial, a enfermeira Claire Randall volta para os braços do marido, com quem desfruta uma segunda lua de mel em Inverness, nas Ilhas Britânicas. Durante a viagem, ela é atraída para um antigo círculo de pedras, no qual testemunha rituais misteriosos. Dias depois, quando resolve retornar ao local, algo inexplicável acontece: de repente se vê no ano de 1743, numa Escócia violenta e dominada por clãs guerreiros.
Tão logo percebe que foi arrastada para o passado por forças que não compreende, Claire precisa enfrentar intrigas e perigos que podem ameaçar a sua vida e partir o seu coração. Ao conhecer Jamie, um jovem guerreiro escocês, sente-se cada vez mais dividida entre a fidelidade ao marido e o desejo. Será ela capaz de resistir a uma paixão arrebatadora e regressar ao presente? 


- Resenha - 


Claire Randall está calma em sua segunda lua de mel. Apaixonada por seu marido, está matando as saudades após tanto tempo afastados trabalhando na guerra: Ela como uma competente enfermeira e ele em uma função importante e desconhecida. Frank Randall, seu marido, está igualmente animado por este tempo antes de começar a dar aulas de História em Oxford; Além disso, ambos estão ansiosos por começar uma família.



"Havia um zumbido profundo vindo de algum lugar bem próximo. Imaginei que deveria haver uma colmeia alojada em algum nicho da rocha e coloquei a mão sobre a pedra, a fim de inclinar-me para dentro da fenda.

A pedra soltou um grito.
Recuei o mais depressa que pude, tão depressa que tropecei na relva curta e caí sentada com toda força. Fitei a pedra, espantada, suando. 
Nunca ouvira um som semelhante de nenhum ser vivo. Não é possível descrevê-lo, exceto dizer que era o tipo de grito que se poderia esperar de uma pedra. Era horrível.
As outras pedras começaram a gritar. Ouvi sons de batalha, os gritos de homens morrendo e cavalos feridos.”


Tudo indo perfeitamente bem para ambos, em uma ótima lua de mel até Claire desaparecer repentinamente. Para ele? Apenas preocupações e incógnitas. Para ela? Um mundo, um tempo e uma situação completamente desconhecidas em que ela deveria fazer o possível para sobreviver e o impossível para retornar a seu marido.

“Para opor-se a uma multidão era preciso mais do que a coragem comum; algo que fosse além do instinto humano. E eu temia não ter esta força e, ao temer sentia vergonha.”

Claire se encontra na Escócia de 1743, às vésperas da segunda revolução jacobita, onde uma mulher é apenas uma procriadora e uma inglesa nada mais é que uma hostil estrangeira, uma Sassenach. Seu primeiro contato é o antepassado de seu marido: Jonathan Randall, ou Black Jack Randall, um homem terrível e tosco. Ela é salva pelo característico escocês Murtagh, padrinho de Jamie e um homem honrado e leal, é levada ao esconderijo de um grupo de escoceses. Lá é logo surpreendida pelo terrível tratamento à mulheres e apresentada a ele: James Alexander Fraser, um doce homem, perseguido pela justiça e vítima das mãos do Black Jack.

 “A dura verdade é que um ato simples pode ter consequências muito sérias em lugares e tempos como estes, especialmente para um homem como eu.”

Forçada a conviver nesse ambiente até encontrar um jeito de voltar, Claire logo é levada a colocar suas habilidades de enfermeira em prática como Curandeira, e aos poucos vai conquistando o apreço dos seus companheiros, um pouco mais tarde conquista a confiança e faz amizades com pessoas peculiares: Ned, advogado inglês que é apaixonado pela Escócia e Geillis Duncan, uma mulher de personalidade forte, “bruxa” e sarcástica; Uma mulher apaixonante e intrigante. Claire também faz amizade com o Ruivo, Jamie, com quem é mais tarde forçada a se casar para garantir sua segurança.

"Meus braços o envolviam, acariciando as cicatrizes enrijecidas de suas costas. - Eu mesmo posso suportar a dor - disse ele suavemente -, mas não aguentaria vê-la sofrer. Está acima das minhas forças. "

Claire é posta em um terrível triângulo amoroso. Enquanto ainda deseja voltar para seu amado Frank, vai se deixando cativar pelo maravilhoso-perfeito-tesudo íntegro Jamie. Somos levados às mais diversas e difíceis aventuras de ambos, as quais envolvem desde perseguição, insiquisições, desavenças, brigas com o mundo a um amor forte e maravilhoso. Companheiros, marido e mulher que se amam e se respeitam, uma característica incomum entre casais estão preparados para enfrentar o que for.

“-Você está a salvo – disse ele com firmeza. – Tem meu nome e minha família,meu clã, e se necessário, a proteção do meu corpo também. O sujeito não vai colocar as mãos em você de novo enquanto eu viver.”

Com oito livros publicados e um nono a caminho, Diana Gabaldon, grande amiga de George R. Martin(autor da Guerra dos tronos), constrói uma história entrelaçada e firme, com temáticas diferentes a cada livro e personagens diferentes, apaixonantes ou odiosos. Esta é a saga que envolve romance, ação, aventura, violência, um grande toque da realidade, enormes lições de história. Te leva a muitos risos e muitas lágrimas simultaneamente. Prepare-se para ser arrancado de sua estabilidade emocional para um turbilhão de emoções. De um capítulo por dia que você leia, nesta saga, você acabará com o livro em poucos dias. Sim, ela é tudo isso.

“Onde todo o amor existe, não há necessidade de palavras. É tudo. É imortal. E se basta.”

Gosta de ação? Leia
Gosta de romance? Leia
Gosta de aventura e mistérios? Leia
A Viajante do tempo é a maravilhosa introdução a este maravilhoso universo criado por Diana Gabaldon. Leiam, chorem, riam, se emocionem, vivam este maravilhoso livro junto comigo e então, volte aqui para me contar o que achou e reservar sua passagem à Inverness junto a mim e mais 20 milhões de amantes deste universo.

“Permita então que beijos apaixonados permaneçam em nossos lábios. Comece a contagem até mil e cem. E mais cem e mais mil.”

3 comentários:

  1. Oi, como vai?
    Eu sei que esse livro também tem uma série e tanto, mas eu tenho certo receio de ler livros com muitos livros publicados, nesse caso já tem 8, apesar deu amar romances de época. Adorei a resenha, ela soube trazer a alma do livro e o que ele quer mostrar ao leitor.
    Beijos!
    O Reino Encantado de uma Leitora

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Miriã! Eu também tenho receio, ainda mais um livro da densidade de Outlander. Eu encarei o desafio sem obrigações e acabei me viciando. Fui diretamente para a segunda obra - muito maior e melhor - e amei. Acabei cansando, então agora intercalo. Um livro de Outlander, um livro avulso, um livro de Outlander.... Entende? Fico feliz que tenha gostado da resenha. Espero que goste da série de livros.

      Excluir
    2. Ah. Eu amei seu blog! Já estou seguindo.

      Excluir