Resenha: Além-Mundos | Scott Westerfeld

Título: Além-Mundos
Autor:  Scott Westerfeld
Editora: Galera Record
Número de páginas: 546
Classificação: 
Sinopse: Scott Westerfeld, autor da série Feios, retorna em mais uma aventura de tirar o fôlego.
Darcy Patel escreveu seu primeiro livro em um mês. Não muito tempo depois, se mudou para Nova York, para realizar o sonho de viver de escrever. Lizzie se prepara para mais uma viagem de avião, até terroristas invadirem o aeroporto e começarem a atirar em todos. Desesperada, Lizzie se joga no chão. Eu estou morta, eu estou morta... No fim, está tão convencida de pertencer ao lugar dos mortos que acaba atravessando a fronteira do além-mundo. Darcy criou Lizzie. A menina de Além-mundos é sua protagonista. Enquanto Lizzie se vê cada vez mais envolvida nos assuntos dos mortos e do submundo, Darcy luta para se manter no paraíso do YA, na Big Apple, e quanto mais Darcy aprende e amadurece, mais a história de Lizzie também cresce. Ou seria o contrário? Sempre atravessando as barreiras entremundos, as duas irão se redescobrir, se reescrever e explorar os infinitos mundos dentro de si mesmas.




                                                – Resenha –


“ — Estou te assustando? — Terroristas com metralhadoras me assustam. Você só está me irritando.”
Além-Mundos é o mais novo livro de Scott Westerfeld. Eu li a série Feios e gostei bastante. Aliás, ele também tem a Trilogia Leviatã, mas essa eu ainda não li. rs

Lizzie é a única sobrevivente de um ataque terrorista no aeroporto. Para isso, ela descobriu que é uma pessoa diferente das outras, ela é psicopompo/ceifadora/valquiria.  

Oi?

Lizzie pode ir para o além-mundo. Além de ver fantasmas, ela vai para o além-mundo, ajudá-los a encontrar seu caminho. E, neste mesmo dia, Lizzie conhece Yamaraj, deus da morte — os dois tem um romancezinho…

“Não se preocupe — repetia. — O mundo real não pode machucá-la se você ficar calma.”
Bem, sua vida muda completamente depois do ataque terrorista. Além de ficar conhecida na cidade toda, o FBI acompanha Lizzie até a escola, pois, vai que acontece outro ataque, né? hahaha. Lizzie também descobre que tem uma amiga-fantasma em casa, a Mindy — amiga de infância de sua mãe.

Lizzie está numa fase cheia de descobertas e ainda tem o fato de ser psicopompo no meio de tudo isso. Como é ser psicopompo? O que realmente um psicopompo faz?

“Acho que romances sobrenaturais sempre vão existir. Dá pra contar um milhão de histórias diferentes sobre o amor, especialmente quando se trata de amor com alguém diferente.”

E aí vem a parte diferente desse livro de fantasia, que me deixou surpresa e feliz, pois achei super interessante a premissa. Gostou do enredo da história de Lizzie? Pois é, quem escreveu foi Darcy, nossa outra personagem do livro. Os capítulos ímpares são de Darcy, os pares são de Lizzie.

Darcy é uma jovem adulta que acabou de sair do colégio e escreveu Além-mundos em um mês. Uma editora grande curtiu e resolveu apostar nela, pedindo também uma continuação para o livro. Então, Darcy se muda para New York e sua vida muda completamente: ela conhece escritores que sempre amou, descobre várias coisas, gente nova, etc.

“Às vezes me sinto como se só estivesse fingindo ser adulta. Carla sorriu. — Acho que é assim com todo mundo. Você finge por um tempo, e uma hora se torna real.”
É muito interessante ver as histórias se cruzarem, ver como Darcy decide o destino de Lizzie, ver a insegurança de uma pessoa com trabalho criativo. Aliás, não importa se é o primeiro ou o 20˚ livro, todos tem inseguranças. 
Fiz resenha de A Arte de Pedir e vi que Scott Westerfeld também usou o livro pra desabafar um pouco sobre como é trabalhar com criação.

Conclusão: maravilhoso! Vale a pena!

“Sabe quando você termina um livro e tem a sensação de que todas aquelas pessoas nele foram para uma festa sem você?”

 

.

3 comentários:

  1. Oi Aline, tudo jóia?
    Quem leu Feios, Leviatã ou Os primeiros dias sabe como é a escrita de Scott: cativante, esperta, precisa e viciante. E quem correu para ler Além-mundos esperando por isto pode ter se decepcionado um pouco, como foi o meu caso. No começo, eu sequer diria que este tinha sido um livro escrito pelo Westerfeld, não reconhecia nada dele ali. Então eu esperei um tempo e fiquei remoendo as histórias na minha cabeça, em segundo plano, enquanto lia outros livros.
    Scott teve uma idéia e acreditou nela, assim como sua personagem Darcy, e assim nasceu Além-mundos. Nesse sentido, Scott se superou com certeza e entregou uma história que, como ele nos quis fazer acreditar, poderia ter sido escrita por uma adolescente.
    Mas não é o livro de entrada que eu recomendaria para quem quer começar a ler Westerfeld, não sei ao certo se eu sequer recomendaria...
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Oi.
    Fiquei um pouco confusa com este livro, então não entendi quase nada, já que não li os outros livros. Ter personagens de outras histórias é chato porque nem sempre sabemos quem eles são (para aqueles que não leram).
    Mas gostei da premissa, é diferente e um pouco irreal rsrs
    Abraço! Leitora Encantada

    ResponderExcluir
  3. Gosto dos livros do Scott justamente pela imaginação que ele tem, pela forma que ele nos faz ver algo completamente doido se transformar em algo normal, como na série "Feios", por exemplo. E acredito que com esse livro não seja diferente, hahaha
    Já adicionei na minha lista de livros, parece uma ótima leitura!
    Parabéns pela resenha.

    Beijos
    Sara | Lendo com Amor
    http://lendocomamor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir