Resenha: A Mulher do Viajante no Tempo | Audrey Niffenegger

Título: A Mulher do Viajante no Tempo
Autora:

- Resenha -



 “Odeio estar onde ela não está, quando não está. No entanto, vivo partindo, e ela não pode vir atrás.”

Imagine-se aos 6 anos, encontrando o amor da sua vida, um homem adulto e maduro, completamente nu. Qual sua reação? O que você faria? O alimentaria? O vestiria? O amaria?
Foi exatamente o que Clare Abshire fez.

“Agora espero Henry. Ele some sem querer, sem avisar. Espero. Tenho a sensação de que cada minuto é lento e transparente como vidro. A cada minuto que passa, vejo uma fila de infinitos minutos, à espera. Por que ele foi aonde não posso ir atrás?”

Henry DeTamble tem um grave distúrbio genético que o faz viajar no tempo. Sem aviso, sem ajuda. Ele simplesmente some e aparece desprotegido, vulnerável, tendo que lutar por si mesmo. Então ele corre, corre o quanto pode. Para arranjar roupas, abrigo no inverno, comida a cada dia. Correr é questão de sobrevivência.
Tudo fica mais lento então quando ele conhece Clare. Pegado de surpresa pela alegria e entusiasmo daquela que seria sua futura esposa e o conhecia por 14 anos. A alegria, entusiasmo, paixão transbordante e a sensação de ali estar alguém que realmente O conhecia e obviamente o amava, joga para cima dele a questão: Encontrei meu destino?

“Descobri que Clare gosta de ficar sozinha. Mas quando volto de uma viagem no tempo ela sempre fica aliviada ao me ver.”

O amor se desenvolve, apesar de anos de convívio com Henry do futuro, ela finalmente conhece o verdadeiro Henry. Sua vida, suas alegrias, seus hobbies, sua família, sua história. E ele finalmente a conhece e começa a mudar a si mesmo. Sem sentir, sem querer, ele muda para se tornar o homem certo para ela. O homem que ela conheceu, o homem que vivia feliz ao lado dela.

“Quando era criança, eu não via a hora de estar com Henry. Cada visita era um acontecimento. Agora, cada ausência é um não acontecimento, uma subtração, uma aventura sobre a qual vou ouvir quando meu aventureiro se materializar aos meus pés, sangrando ou assobiando, sorrindo ou tremendo. Agora tenho medo quando ele some.”

A vida é difícil? É. Henry parte para seus perigos talvez por dias sem ela saber onde ele está, se está bem, quando irá voltar? Sim. Mas ela espera, sempre espera. Espera pelo homem que ama, pelas novidades que ele irá contar, pelo seu carinho e amor que sempre serão recompensadores.

“Às vezes, fico feliz quando Henry some, mas sempre fico feliz quando ele volta”

A mulher do viajante no tempo é um livro lindo e emocionante que transcorre diferentes fases das vidas de Henry e Clare, a alegria, a dor, o companheirismo, as dificuldades. Ambos vivem a vida normal de um casal fora do normal. O amor de Clare atravessa os tempos até Henry. A felicidade alcança Henry onde quer que ele esteja. E ele sempre, sempre irá voltar para ela.

“Agora, sei que Henry acabará vindo. Às vezes, me pergunto se essa disposição, essa esperança, impede que o milagre aconteça. Mas não tenho escolha. Ele vem, e eu estou aqui.”
 

0 comentários:

Deixe seu comentário