Resenha: Emperor of Thorns | Mark Lawrence

Título: Emperor Of Thorns
Autor: Mark Lawrence
Editora: Darkside
Páginas: 525
Classificação: Nenhum texto alternativo automático disponível.
Sinopse: Depois de vencer a batalha pelo "Assombrado" contra o reino de Arrow, Jorg agora começa a direcionar seus esforços contra seu principal algoz - seu próprio pai -  e o Rei Morto, que há muito estava adormecido, mas havia chegado a hora de seu retorno. Além disso, deve decifrar e entender o plano dos antigos construtores que previam essa catástrofe e criaram um modo de impedir que isso acontecesse. A história promete terminar na cidade de reis e lá ocorrerá o conflito final entre essas três grandes forças pelo futuro da Terra.

                                                       Resenha: 

Durante a jornada do Rei Jorg, vimos que os dois livros anteriores, basicamente se tratava da vingança pelo atentado fracassado contra sua mãe e seu irmão mais novo, nesse terceiro livro, Jorg, além de sua vingança, percebe que precisa deixar um pouco de lado, já que a grande ameaça do Rei morto está indo de encontro com as aspirações de vingança do garoto. 
Nesse livro, o Rei morto deixa de ser um personagem secundário e começa a se tornar o principal antagonista de Jorg. O desenvolvimento desse e de outro personagem (Chella), justamente para causar a sensação de urgência no leitor. Embora seja o maior dos três livros da série, é possível aproveitar a leitura – mesmo com essa sensação de urgência. 
Outra característica da leitura, o livro se passa em dois tempos diferentes durante boa parte. Uma retrata o momento presente – antes da convenção de reis, o fato que definirá o destino do mundo apocalíptico – e outra parte dele ocorre quatro anos atrás, além de, em alguns interlúdios, contar a história da necromante Chella, logo após a guerra contra Arrow. Essa parte da história, embora não explícita desenvolve ainda mais o personagem de Jorg, com seus pensamentos e tramoias caóticas. 
Em algum momento da história há uma relação tênue entre Emperor of Thorns e uma outra obra pouco famosa – O Senhor dos Anéis. Há uma cidade (Wyene) onde o rei que senta em seu trono possui um poder sobre todos os outros. É o principal defensor dos reinos. E para tal, existe uma votação entre os reis para ver quem será o rei de Wyene. E é nesse local onde está destinado acontecer a maior batalha de todas. 
Durante a leitura, há alguns momentos que duas personagens fazem uma certa falta. Miana (que, durante a missão de juntar aliados de Jorg, ficou responsável pelas Terras Altas de Renar) e a algoz Katherine. Entretanto, as duas ajudarão Jorg – Miana por respeito e Katherine porquê... bom, digamos que ela possui interesses próprios, como o mago do sonhos e seu mestre, Sageous. 
Outro ponto que vale ser abordado a respeito do livro é a história dos Construtores. Não vou citar nomes, mas Jorg é ajudado por o espírito de um deles e que conta todo o plano para deter o Rei Morto – uma ameaça desde os tempos primevos. E cabe a Jorg a execução desse plano. Os construtores são seres que foram criados para um único desígnio e, apenas a esse objetivo. Eles devem cumprir esse objetivo a qualquer custo – informação válida caso o leitor queira desvendar o desfecho final dessa trilogia. 
  
Concluindo... 

... a trilogia dos espinhos pode ser lida em uma tacada só, mas recomendo que seja degustado aos poucos – especialmente esse terceiro livro. 
O final dele é previsível sim – não que eu tenha predito durante a leitura, mas lendo o final e percebendo as pequenas pistas de Mark Lawrence, é possível desvendar o fim, entretanto, não faz com que a série perca pontos ou algo assim. 
O ponto forte da série é, sem dúvida, os personagens. Não existe a clara definição de bem ou mal. Cada um deles possui uma índole mista – inclusive o Rei Olidan, pai de Jorg – que faz com que os personagens optem por tomar decisões pensando apenas em si e, por si só, cria-se o caos que reina nos três livros. 
Mark Lawrence ainda escreveu outro livro relacionado ao mundo de Jorg: “A guerra da Rainha Vermelha”, mas que conta a história de outros dois personagens. Em outra oportunidade eu falo desses livros aqui. 
Se você gosta de mundo apocalíptico, personagens caóticos e senso de urgência, essa é a receita diferenciada de “Emperor of Thorns” e, sem sombra de dúvidas, é um livro que não pode faltar no “arsenal” de livros distópicos. 
  
Escrito por Alvaro Dias 

0 comentários:

Deixe seu comentário