Resenha: Percy Jackson e Os Olimpianos: A Maldição do Titã | Rick Riordan

TítuloA Maldição do Titã
Autor: Rick Riordan
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 316
Classificação:  
Sinopse: Um chamado do amigo Grover deixa Percy a postos para mais uma missão: dois novos meios-sangues foram encontrados, e sua ascendência ainda é desconhecida. Como sempre, Percy sabe que precisará contar com o poder de seus aliados heróis, com sua leal espada Contracorrente... e com uma caroninha da mãe. O que eles ainda não sabem é que os jovens descobertos não são os únicos em perigo: Cronos, o Senhor dos Titãs, arquitetou um de seus planos mais traiçoeiros, e nossos heróis serão presas fáceis. Um monstro ancestral foi despertado – um ser com poder suficiente para destruir o Olimpo –, e Ártemis, a única deusa capaz de encontrá-lo, desapareceu. Percy e seus amigos têm apenas uma semana para resgatar a deusa sequestrada e solucionar o mistério que ronda o monstro que ela caçava.Divertidíssima e repleta de ação, essa terceira aventura da série coloca nosso herói e seus aliados frente a frente com o maior desafio de suas vidas: a terrível profecia da maldição do titã.

                                               – Resenha –


Hoje eu estou nostálgica! Talvez seja por causa da eterna piadinha de 1º de Abril que diz que a Netflix vai produzir uma série baseada nos livros do Tio Rick... Bem que podia ser verdade, né? Afinal de contas aqueles filmes foram completamente pavorosos! Enfim, foi por causa da nostalgia que resolvi resgatar um dos livros que eu mais gostei de ler e o meu preferido da série Percy Jackson e Os Olimpianos. Então, vamos começar com uma profecia, certo?

"A oeste, cinco buscarão a deusa acorrentada,
'Um se perderá na terra ressecada,
''A desgraça do Olimpo aponta a trilha
'' Campistas e Caçadoras, cada um brilha,
A maldição do Titã um deve sustentar,
E pela mão do pai um irá expirar."

A história começa na verdade, com o nosso trio resgatando dois semideuses de pai/mãe desconhecido, Nico e Bianca di Angelo, mas alguma coisa sai muito errada e os heróis têm que ser resgatados e quem aparece para salvar o dia são as Caçadoras de Artêmis, porém no meio da luta, Annabeth se perde. Então, sem a nossa protagonista, neste livro, temos uma pequena mudança na fórmula de dois meninos (ou um menino e um sátiro) e uma menina, afinal de contas o grupo deve ser de cinco pessoas, então a missão parte com Percy e Grover, claro, e mais Thalia, a nossa menina-pinheiro, Zoë, a tenente das Caçadoras e Bianca, que se uniu à caçada para infelicidade de seu irmão.

Apesar da história manter o estilo de sempre do tio Rick, com muitas piadinhas e referências, foi a primeira vez que o grupo (e os leitores) tiveram que lidar com a perda não de um personagem, mas de dois! Perdas definitivas! E a cena final de uma das pessoas que morre é especialmente emocionante. 
Apesar de sabermos quem é o inimigo desde o início da série e o tamanho do desafio que vem pela frente, esse livro foi o divisor de águas (sem piadinhas poseidônicas) na série, já que personagens queridos começam a perecer... É o esperado em uma guerra, mas não necessariamente em um livro infanto-juvenil.

Só tem uma coisa que me incomoda nesse livro (e em outros): essa mania de traduzir nomes. Ok, eu até entendo o motivo, mas vamos combinar que traduzir Zoë Nightshade para Zoë Doce-amarga é de matar de vergonha alheia! Isso sequer faz sentido! Apesar disso, continua sendo meu livro preferido... E, obrigada, Hollywood por terem desistido de adaptar a série para aqueles filmes mal-feitos! Continuo aguardando uma série da Netflix... nunca será! T_T

2 comentários:

  1. ahh, concordo c vc em tudo de acordo c sua resenha, a piadinha realmente podia ser real, meu sonho netflix adaptar pjo

    perolasdelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Bom dia, sou apaixonada pela saga percy jackson e só acho que poderia ter uma continuação.
    Beijos! Blog Sara Menezes

    ResponderExcluir