Resenha:Os homens que não amavam as mulheres - Millenium 1 | Stieg Larsson

Título: Os homens que não amavam as mulheres
Editora: Companhia das Letras
Autor: Stieg Larsson
Número de páginas: 522
Classificação:
Sinopse: Nenhum texto alternativo automático disponível.
'Os Homens que não Amavam as Mulheres' é um enigma a portas fechadas - passa-se na circunvizinhança de uma ilha. Em 1966, Harriet Vanger, jovem herdeira de um império industrial, some sem deixar vestígios. No dia de seu desaparecimento, fechara-se o acesso à ilha onde ela e diversos membros de sua extensa família se encontravam. Desde então, a cada ano, Henrik Vanger, o velho patriarca do clã, recebe uma flor emoldurada - o mesmo presente que Harriet lhe dava, até desaparecer. Ou ser morta. Pois Henrik está convencido de que ela foi assassinada.                       

Quase quarenta anos depois o industrial contrata o jornalista Mikael Blomkvist para conduzir uma investigação particular. Mikael, que acabara de ser condenado por difamação contra o financista Wennerström, preocupa-se com a crise de credibilidade que atinge sua revista, a Millennium. Henrik lhe oferece proteção para a Millennium e provas contra Wennerström, se o jornalista consentir em investigar o assassinato de Harriet. Mas as inquirições de Mikael não são bem-vindas pela família Vanger. Muitos querem vê-lo pelas costas. Ou mesmo morto. Com o auxílio de Lisbeth Salander, que conta com uma mente infatigável para a busca de dados - de preferência, os mais sórdidos -, ele logo percebe que a trilha de segredos e perversidades do clã industrial recua até muito antes do desaparecimento ou morte de Harriet. E segue até muito depois... até um momento presente, desconfortavelmente presente.


Resenha

Os homens que não amavam as mulheres é o primeiro livro de uma trilogia de suspense policial chamada Millenium. Escritos pelo jornalista sueco Stieg Larsson, que morreu antes de ver sua obra lançada, os livros conquistaram leitores dos quatro cantos do mundo e abriram caminho para outros escritores nórdicos de literatura policial como Jo Nesbo, Camilla Läckberg, Jussi Adler-Olsen e Lars Kepler (citando apenas os meus favoritos).

Se você está esperando uma história simples esse livro não é para você. Os homens que não amavam as mulheres reúne mais personagens do que estamos acostumados a ver, numa narrativa longa e minuciosa que demora a cativar o leitor.

São mais de 250 páginas até o protagonista, o jornalista Mikael Bloomkvist, se unir a hacker Lisbeth Salander e a trama tomar um fôlego irresistível.

Mikael é um jornalista que, em meio a uma crise em sua carreira, é contratado pelo empresário Henrik Vanger para escrever uma crônica familiar e procurar lançar uma nova luz sobre o desaparecimento de sua sobrinha Harriet Vanger, ocorrido a mais de 40 anos.
Salander é uma hacker que trabalha numa firma de segurança e é contratada para investigar a vida de Blomkvist, um pedido de Henrik Vanger antes de contratar o jornalista.

Quando Blomkvist chega a um ponto crucial das investigações, com diversas informações para verificar, descobre que foi (muito bem) investigado por Lisbeth Salander e vai atrás dela para contratar seus serviços.

Lisbeth Salander é simplesmente a melhor personagem feminina já criada na história da humanidade (na minha humilde opinião, obviamente). Ela encontrou uma forma de continuar vivendo depois de enfrentar situações grotescas (que ficam mais claras no segundo e no terceiro livro): age de acordo com seus princípios, defende-se com ferocidade e resolve os próprios problemas com os métodos que julga necessários.

O mistério central do livro também é construído com maestria. A pergunta que dá origem à história: O que aconteceu com Harriet Vanger? apenas conduz a uma rede muito maior de crimes, sequer imaginada anteriormente e não decepciona quanto ao desfecho.


     Sem dúvida é uma trama que prende o leitor e exige uma sequencia da história de Mikael e Lisbeth, que voltam a se encontrar em circunstâncias bem diferentes no livro A Menina que Brincava com Fogo, onde são revelados alguns do segredos do passado da nossa hacker favorita. Aguardem a próxima resenha.


                           Por : Daiane Schmechel


1 comentários:

  1. Parabéns Daiane, sua resenha ficou magnigica....sucesso sempre.

    ResponderExcluir