Crítica: Sexta Feira 13 (1980) - Um Clássico Revisitado

Sexta Feira 13: (Friday the 13) Mistério/Slasher ‧ 1h 35m
Data de lançamento: 1 de dezembro de 1980 (Brasil)
Direção: Sean S. Cunningham
Música composta por: Harry Manfredini
Orçamento: 550.000 USD
Roteiro: Victor Miller
Elenco:Kevin Bacon, Betsy Palmer, Adrienne King, Jeannine Taylor, Ari Lehmann

Sinopse:
A história do homicído em Crystal Lake não impede que os instrutores montem um acampamento de verão no bosque. Moradores supersticiosos advertem sobre o ocorrido, mas os jovens Jack, Alice, Bill, Marcie e Ned, prestam pouca atenção aos mais velhos e acabam sendo perseguidos por um assassino brutal. A medida em que são esquartejados, baleados e esfaqueados, os instrutores lutam para manterem-se vivos contra um adversário implacável.



Crítica
O que define um bom filme de terror nos dias atuais? efeitos especiais? Elenco? História? agora voltemos no tempo para 1979, onde efeitos visuais como conhecemos hoje em dia não existiam, e que grandes estrelas de hollywood passavam longe desse gênero pouco valorizado até então, e temos o primeiro Sexta Feira 13.

Na época, com baixíssimo orçamento cerca de 550 mil dólares, o diretor Sean Cunningham, e o roteirista Victor Miller não sabiam que estavam começando o que seria uma febre nos anos posteriores ganhando 60 milhões de dólares em bilheteria um sucesso estrondoso, tendo um elenco repleto de desconhecidos até então um Kevin Bacon bem novo, em um de seus primeiros papéis, o nome mais forte no casting do filme era o de Betsy Palmer atriz conhecida por musicais da Broadway e filmes como It Happens to Jane, Tin Star, clássicos de uma outra era com vários atores conhecidissimos como Doris Day, Henry Fonda e Walther Matthau. Em uma entrevista Palmer falou que na epóca quando foi convidada a fazer o papel da mãe do assassino Jason, Pamela Voorhees pensou " Que droga é essa? ninguém vai assistir isso!", mal sabia ela que estava entrando em uma das franquias mais conhecidas até os dias atuais. 

Acampamento Crystal Lake

Sexta feira, 13 de Fevereiro, um grupo de seis conselheiros de campo, Alice (Adrienne King) Marcie (Jeannine Taylor), Brenda ( Laurie Bartram), Jack ( Kevin Bacon), Bill (Harry Crosby) e Ned (Mark Nelson) chegam ao Acampamento Cristal Lake, um retiro de verão localizado no condado de Sussex, Nova Jersey. Apesar dos rumores de uma maldição e uma reputação decididamente desagradável chamado de "Camp Blood" por alguns moradores o novo proprietário do lugar Steve Christy ( Peter Brouwer) está determinado em colocar as coisas em funcionamento. À medida que as sombras da tarde se aprofundam na escuridão da noite os protagonistas começam a fazer o tipo de coisas que as crianças não supervisionadas fazem Jack e Marcie saem para uma cabana mais isolada para se conhecerem melhor. Alice, Brenda e Bill jogam Strip Monopoly, e Ned vai andando por aí, enquanto isso há um assassino vagando pelo campo eliminando os conselheiros um a um, e os sobrevivente não tomam consciência que estão em perigo até que quase não haja mais ninguém vivo.


Bill, Marcie, Brenda e Ned.


Betsy Palmer, Pamela Voorhees a mãe do Jason.




Jason que seria o principal assassino de toda a franquia está presente muito pouco, conhecemos sua história no fundo da trama principal como um garotinho deficiente, que morreu afogado no lago do acampamento por uma certa negligência dos conselheiros da época, ele serve apenas como motivo para a real assassina fazer o que faz, sua mãe Pamela Voorhees. 


Primeira aparição Jason Voorhees

O Jovem Kevin Bacon, e Jeannine Taylor

A protagonista Adrienne King

Uma das melhores partes do filme é a sua trilha sonora escrita por Harry Manfredini merece crédito por aumentar o arrepio,  como muitos temas de terror funciona por sua simplicidade a música é tocada quando o assassino está por perto então é uma boa sugestão de que algo ruim irá acontecer.
Como um filme, o Sexta Feira 13 não é um primor, é uma obra amadora, e experimental. Mas esses adjetivos não condizem com o impacto que ele teve no cinema na década de 80, quando os chefões dos estúdios viram quanto dinheiro esse filme conseguiu ganhar, tornou-se um fato certeiro que haveria continuações, e assim foi.

Sexta Feira 13, não era somente a morte de alguns conselheiros em um acampamento de verão era o início da era Slasher que submergia nos Drive-ins e Cinemas, a medida que os anos 80 amadureciam, se você nunca assistiu esse filme, é altamente recomendado que veja mas tenha em mente que ele é bem datado da década de 80 e você pode não gostar, mas para fãs do gênero e de cinema, é um dos filmes que tem que ser assistido pois querendo ou não é um marco no cinema mundial.

0 comentários:

Deixe seu comentário