Star Wars - Marcas da Guerra #1 | Chuck Wendig

Título: Star Wars #1 - Marcas da Guerra
Autor: Chuck Wendig
Editora: Aleph
Páginas: 403
Classificação: Nenhum texto alternativo automático disponível.
Sinopse: Após a Batalha de Endor, que culminou na destruição da Segunda Estrela da Morte, e a eliminação de Darth Vader e do Líder Supremo Palpatine, a Aliança Rebelde agora procura, além de eliminar focos de resistência do Império, consolidar como o poder vigente em toda a Galáxia. Agora, a guerra chega em seu ápice, e uma reunião em um planeta longínquo na Orla Exterior mostra que, embora a grande batalha foi vencida, a guerra ainda não acabou...

Disclaimer:

Antes de começar, é necessário fazer alguns disclaimers - sim, tenho uma certa paixão por eles. Inclusive, pra quem, por um acaso, não conheça absolutamente nada de Star Wars...

Primeiramente, Star Wars é um filme (aliás, sete filmes e uma side story) criado por George Lucas e que, em pouquíssimas e resumidas palavras, conta a história de uma galáxia, aparentemente democrática, que, após um "golpe" se transforma num Império controlado por Palpatine. 

Dentro desse Universo, além da batalha política, existe uma batalha ideológica, onde há um lado claro (Jedi) e um lado sombrio (Sith). Ambos estão em contato com o homem e existem dentro dele, e estão sempre lutando - um conceito chinês que existe, yin e yang, pois é. A mesma coisa. - pelo controle da Força, que seria como uma "energia" que controla tudo.

O momento descrito no livro começa a contar a decadência do Império com um golpe fortíssimo dado pelos Rebeldes, a destruição da Estrela da Morte (uma arma destruidora de planetas) no planeta Endor, e, a partir daí, "Marcas da Guerra" começa a ocorrer.

Era uma vez, em uma galáxia muito distante...

O livro conta a continuação após a batalha de Endor. Introduz alguns personagens a trama, e incrementa a história e importância de outros. Nesse livro, temos cinco personagens principais: Norra e Temmin Wexley, Sinjir Velus, Jas, o Capitão Wedge Antilles e a almirante de frota Imperial, Rae Sloane.

O Capitão Wedge Antilles foi um dos grandes responsáveis pelo ataque a Estrela da Morte, e por esse feito, é um personagem bem famoso no mundo de Star Wars, encontra em um planeta fora da galáxia, indícios que o Império pode estar se reunindo para determinar o que fazer após a destruição da Estrela. Tenta investigar e é capturado pelas forças Imperiais.

Do outro lado Norra, uma pilota rebelde, busca retornar para casa - no pequeno planeta de Akiva - atrás de seu filho Temmin, que foi deixado no seu planeta para que ela pudesse lutar e encontrar seu marido, capturado e torturado injustamente pela tropa Imperial, lá encontra seu filho que, por razões ainda não descobertas, ele ignora as ordens da mãe e decide ficar em Akiva, mesmo com a iminente ação imperial naquele lugar. 

Sinjir é um ex-empregado do Império que, por razões ainda desconhecidas, decide se juntar a Norra Wexley para escapar do planeta e avisar sobre a Reunião que está ocorrendo ali.

Jas é uma caçadora de recompensas que possui um alvo específico - a Aliança Rebelde também é um bom cliente -, mas a sua missão falha e, para escapar, acaba se juntando com os outros personagens, mas não é confiável.

Por fim, do lado imperial, temos a almirante Sloane que tenta reunir os cacos do império após a queda de sua arma de destruição mais poderosa, através de uma reunião em que os participantes talvez não queiram somente reerguer o Império, mas preencher a lacuna equilibrada de poder deixada pela aparente queda imperial.

Informações sobre o livro...

O livro, embora narrado sobre seis diferentes perspectivas que se encontram, é narrado de forma bem dinâmica. Não engrena de primeira, mas quando isso acontece, é um daqueles livros que grudam até o fim - méritos do escritor.

O Universo Star Wars, até o presente momento, possui sete filmes, lançados fora de ordem cronológica (pela ordem os filmes são: 4, 5, 6, 1, 2, 3, 7), que, para melhor entendimento da série devem ser assistidos nessa sequencia citada acima. Esse resenhista também não entende porque é assim, só aceita. Toda vez que perguntam para o idealizador de Star Wars, ele diz que isso é planejado, o que eu duvido fortemente...

Mas, oficialmente, somente existe esses filmes. Todos os livros não estão no cânone de Star Wars, quer dizer, existem vários livros por aí. A trilogia Thrawn, que também conta os rumos após a Batalha de Endor é a mais celebrada dentre esses livros, mas existem outros, como essa trilogia - Aftermath - que intencionam contar o que houve depois da batalha citada. São várias versões para a mesma história, que não eram exploradas até o ano retrasado, com o lançamento de "O Despertar da Força" e, enquanto isso não acontecia, os fãs se deliciavam com essas histórias - que nunca tinham sido negadas para o Universo Star Wars (negada no sentido de ser totalmente ficcional).

Concluindo...

... Mesmo que os livros não estejam no cânone principal de Star Wars, ainda conseguem cativar os amantes - e os que estão aprendendo a amar - essa obra fantástica e atemporal. Claro que existem outros scifi espacial e, me atrevo a dizer, de qualidade até maior que Star Wars (Fundação de Isaac Asimov é um exemplo. Confesso que estou criando coragem pra falar sobre os seis livros aqui), mas Star Wars move multidões. 

E é um exemplo claro de amor que atravessa as gerações. Eu aprendi a amar Star Wars com meu pai e meu sobrinho aprenderá comigo, se tiver filhos, eles aprenderão comigo também. Star Wars é quase que uma religião e eu sou, particularmente um membro desde 1994, quando conheci os filmes da chamada "primeira trilogia". Estou lendo os outros livros e falarei deles aqui no tempo certo, e que a Força esteja com todos vocês.


Escrito por Alvaro Dias

0 comentários:

Deixe seu comentário