Resenha: Elantris | Brandon Sanderson

Título: Elantris
Autor:  Brandon Sanderson
Editora: Leya
Número de páginas: 576
Classificação:
Sinopse: O príncipe Raoden, de Arelon, foi um dos tocados pela maldição que o levou a viver, ou a tentar sobreviver, em meio à loucura e maldições da cidade caída que, desde a maldição, tornara-se um cemitério para os que foram amaldiçoados. Prestes a se casar com Sarene, filha do rei de um país vizinho de Arelon – uma mulher que nem chegou a conhecer pessoalmente, mas que, mesmo com um casamento politicamente forçado, passou a conviver por meio de cartas – o príncipe é dado como morto, uma situação que parece ser irremediável, mas que precisa de explicações. E são esses mesmos esclarecimentos que Sarene procura ao chegar em Arelon e descobrir que tornara-se viúva antes mesmo de conhecer seu marido. E a partir daí começa a entender que terá que tomar conta de tudo sozinha, principalmente de um homem chamado Hrathen, um dos mais poderosos nobres, que está disposto a substituir o rei Iadon, pai de Raoden, para poder converter o país à religião Shu Dereth.
 

Elantris, que intercala capítulos sobre Raoden, Sarene e Hrathen, é uma obra cheia de energia e histórias fantásticas que não permite que o leitor pense em outra coisa, senão, na cidade de Elantris e suas maldições.




                                                – Resenha –


“Cada dor, sule. Cada corte, cada raspão, cada hematoma e cada ferida ficará com você até que enlouqueça de sofrimento. Como eu dizia, bem vindo a Elantris.”

Bem, li Mistborn e me apaixonei pela escrita de Brandon Sanderson. Aí pesquisei outros livros do autor e vi que aqui no Brasil temos: Elantris e Coração de Aço, primeiro livro da série executores. Elantris é o primeiro livro de Sanderson, publicado em 2005. E está no Kindle Unlimited. Preferi, então, voltar para seu primeiro livro pra depois vir ao mais recente!

Sim, dá pra notar que é o primeiro. A escrita não está tão desenvolvida como em Mistborn. E ele não conseguiu me enganar tão bem quanto em Mistborn, também. hahaha

“Muitas vezes descobri, meu senhor, que uma opinião fresca e sem preconceitos é uma ferramenta de valor incalculável em qualquer discussão.”

Se eu gostei? Bastante! Mas não chega aos pés de Mistborn. Seria legal se eu tivesse lido Elantris primeiro, pois veria a evolução de Sanderson e amaria ainda mais a trilogia Mistborn!

A história é toda contada pelos pontos de vista de três personagens: Raoden, Sarene e Hrathen. Raoden é o príncipe de Arelon, revolucionário e amado pelo povo. Sarene é filha do rei de Teod, super inteligente e está prometida a Raoden, num casamento puramente político. Hrathen tem o objetivo de impor sua religião a todas as nações e está na missão de doutrinar Arelon.
E temos mais um personagem principal aqui: a cidade de Elantris. Há dez anos, era uma cidade colossal, iluminada, branquíssima, com seres quase divinos, uma magia incrível. E aí eles foram amaldiçoados, se tornaram cinzentos, a cidade toda cheia de lodo…

“Um homem pode se obrigar a odiar o que desejar, especialmente se estiver convencido que isso é para um bem maior.”

Já sabe onde está o mistério que rodeia o enredo, né? ;)

Sanderson, desde o início, sabe muito bem como cativar o leitor. Ele cria mundos como ninguém, e personagens também. A magia de Elantris é realmente fantástica, e é incrível como o mundo criado faz sentido com aquela magia.

Para conhecer o autor e entrar nesse mundo de literatura fantástica, (com bastante política, diga-se de passagem) esse livro é ótimo. Aliás, pra um primeiro livro, ele é sensacional! Super recomendo a leitura!

“Não corra se tem forças apenas para andar, e não perca tempo forçando paredes que não cederão. Mais importante ainda, não empurre quando um tapinha é suficiente.”

0 comentários:

Deixe seu comentário