Resenha: Pessoas Normais | Sally Rooney

Resultado de imagem para pessoas normaisTítulo: Pessoas Normais
Autor: Sally Rooney
Editora: Companhia das Letras
Número de páginas: 262
Classificação: Nenhuma descrição de foto disponível.
Sinopse: Na escola, no interior da Irlanda, Connell e Marianne fingem não se conhecer. Ele é a estrela do time de futebol, ela é solitária e preza por sua privacidade. Mas a mãe de Connell trabalha como empregada na casa dos pais de Marianne, e quando o garoto vai buscar a mãe depois do expediente, uma conexão estranha e indelével cresce entre os dois adolescentes – contudo, um deles está determinado a esconder a relação.

Um ano depois, ambos estão na universidade, em Dublin. Marianne encontrou seu lugar em um novo mundo enquanto Connell fica à margem, tímido e inseguro. Ao longo dos anos da graduação, os dois permanecem próximos, como linhas que se encontram e separam conforme as oportunidades da vida. Porém, enquanto Marianne se embrenha em um espiral de autodestruição e Connell começa a duvidar do sentido de suas escolhas, eles precisam entender até que ponto estão dispostos a ir para salvar um ao outro. Uma história de amor entre duas pessoas que tentam ficar separadas, mas descobrem que isso pode ser mais difícil do que tinham imaginado.



"O fenômeno literário da década." – The Guardian

                                             Resenha

Pessoas Normais... Um livro complicado, que comecei não entendendo muito bem o objetivo, principalmente com um pouco de raiva do modo de escrita, por dois motivos: o primeiro porque as falas são dentro das frases, dentro dos parágrafos, sem travessão, e sem aspas. Então sem atenção, sempre passamos despercebidos por uma fala do personagem, e precisamos ler de novo para entender o que está acontecendo e quem está falando; O segundo porque a cronologia não segue uma linha. No meio de uma cena, começa outra cena de algumas semanas ou meses antes para explicar o que estava se passando. Depois, no próximo capítulo, o mesmo: são meses depois, com cenas entrecortadas para explicação.

A primeira ressalva, das falas sem indicações, continuou me irritando durante todo o livro, mas isso não é um defeito da escritora, mas sim o modo como foi editado e formulado. O segundo, as cenas entrelaçadas, eu acabei me acostumando. É um estilo de escrita, e já esperava essa “reação” do livro ao longo dele.

Bom, o livro me lembrou muito Um Dia e Simplesmente Acontece. Em que a vida de duas pessoas está sempre em movimento, e ao mesmo tempo se encontrando e se afastando. Eu, no início, sentia raiva dos personagens, pois tudo que dava errado, era simples falta de diálogo e comunicação, depois eu comecei a entender o que a autora queria nos passar: exatamente o título do livro Pessoas Normais.

Pessoas, muito menos adolescente, não vem com manual de instrução. Não sabem se relacionam com outras, como muitos livros adolescentes mostram: Pessoas que nunca se relacionaram e sabem exatamente como se comportar, sem ser infantis, ou errarem e sabendo como conversar e resolver assuntos sem mal-entendidos. Eles dois: Connell e Marianne são realmente pessoas normais, com inseguranças, problemas pessoais e de relacionamento. E não sabem conversar, achando que algumas atitudes estão subentendidas com pequenas falas ou atitudes, que são imperceptíveis pela outra pessoa. Muitos dos problemas que houve no relacionamento deles, eu só queria gritar: CONVERSEM! Mas é fácil para mim, de fora, lendo o livro saber que esse era o problema deles, enquanto de dentro, realmente, muitas pessoas não falam o que pensam ou o que estão sentindo achando que o outro deveria saber o que estamos pensando.

Além disso, o livro fala e discute diversos assunto pertinentes na nossa sociedade atualmente, como o machismo e o patriarcado marcados e que muitas vezes, determinam certas características nossas.
De modo geral, percebo que os homens estão muito mais preocupados com a restrição das liberdades das mulheres do que com o exercício da liberdade pessoal desses mesmos.
Gostei muito do livro, apesar de achar que algumas cenas poderiam ter sido mais detalhadas, sendo um pouco corrido em tudo, mas é um livro bom de ler e pensar sobre como os relacionamentos seriam mais fáceis se houvesse diálogo, e pensar se nossos próprios relacionamentos não são assim.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário