Resenha: O Ódio que Você Semeia | Angie Thomas

Resultado de imagem para o odio que você semeia
Título: O ódio que você semeia
Autora: Angie Thomas
Editora: Galera Record
Ano: 2017
Número de Páginas: 376
Classificação:Nenhum texto alternativo automático disponível.

Sinopse: Starr tem 16 anos e move-se entre dois mundos: o seu bairro periférico e problemático, habitado por negros como ela, e a escola que frequenta numa elegante zona residencial de brancos. O frágil equilíbrio entre estas duas realidades é quebrado quando Starr se torna a única testemunha do disparo fatal de um polícia contra Khalil, o seu melhor amigo. A partir daí, pairam sobre Starr ameaças de morte: tudo o que ela disser acerca do crime que presenciou pode ser usado a seu favor por uns, mas sobretudo como arma por outros. 




Resenha


“The Hate U Give Little Infants f...s Everybory”

O ódio que você semeia é o livro de estreia da autora Angie Thomas e chegou ao primeiro lugar da lista do New York Times em sua semana de lançamento.

O livro conta a história da Starr, uma adolescente negra que se divide entre duas realidades: a do bairro periférico onde mora, com pessoas simples e gangues duelando entre si e a da escola particular no subúrbio, recheada de pessoas brancas e ricas. A protagonista tenta o tempo todo separar os seus dois mundos, pois, para ela, se eles colidirem não vai sobrar ninguém.   

Porém, o livro realmente tem início, quando Starr e seu melhor amigo de infância, Khalil, são parados pela polícia e por uma suposição infundada Khalil acaba morto e Starr se torna a única testemunha de seu assassinato. A partir disso, acompanhamos a vida da Starr após aquela noite, onde ela precisa lidar com depoimentos e entrevistas, as pessoas julgando Khalil sem conhecê-lo, as ameaças a sua família e o seu maior dilema: como ela pode lutar por justiça?  

Aqui, a autora vai tratar de temas importantíssimos como: racismo, a marginalização do negro, as abordagens policiais, a diferença gritante de classes sociais, entre inúmeros outros assuntos.

Este livro é um daqueles que você tem a sensação de estar vivendo, de tão real. Ele é impactante, chocante e importante do começo ao fim, ele faz com que você pense e questione: “Que mundo é esse que nós estamos vivendo? Onde as pessoas são mortas apenas pela sua raça; onde a justiça não se importa com elas; onde bandido bom é bandido morto e onde você não é racista porque tem amigos negros”. A todo momento você é bombardeado com inúmeras discursões sociais, e vai se perguntando “Por que eu nunca pensei nisso?” ou “Por que isso nunca importou para mim?”.

Desde pequena a personagem principal passa por coisas dificílimas, desde morar em um conjunto habitacional minúsculo, até ver a melhor amiga ser assassinada aos 10 anos de idade. As coisas que os pais da Starr, ensinam para seus filhos desde pequenos também é um soco no estomago, como por exemplo: como se comportar na frente de um policial.   
Nesta obra, assim como a Starr, você vai aprendendo ao longo do tempo. Aqui, a autora aborda movimentos negros como os Panteras Negras e o Black Lives Metter, ela cita também personalidades negras como Martin Luther King e rappers como Tupac. E a cada frase lida, você leva um tapa na cara.

A autora, Angie Thomas, é uma das melhores que eu já li. Ela sabe demostrar perfeitamente o que está pensando, e faz com que você sinta aquilo de verdade, ela faz com que você veja o mundo com os olhos da Starr e perceba que ele está errado e que você não pode simplesmente calar e consentir com aquilo.

Os personagens são extremamente bem desenvolvidos, cada um carregado de significados, onde você consegue ver o que eles veem e sentir o que eles sentem. Principalmente, no núcleo familiar da protagonista, onde cada membro dela é essencial para o próprio crescimento da Starr.

Este é um dos melhores YA que eu li nos últimos tempos. Ele não é um livro de romance, nem um livro onde você vai ler apenas como lazer. Ao lê-lo você é transportado para o nosso mundo, você vai ler sobre coisas que realmente acontecem, coisas que você pode não perceber, mas que estão ali todos os dias. Você vai sentir angústia, raiva, agonia, tristeza e no fim vai perceber que este livro pode ser ficcional, mas que ele está muito longe de ser um conto de fadas.

“Conto de fadas? Não. Mas não vou desistir de um final melhor.”  

O ódio que você semeia será adaptado para o cinema, e a sua estreia será no dia 19 de Outubro deste ano e contará com a atriz Amandla Stemberg (Jogos Vorazes e Tudo e todas as coisas) no papel da Starr.

Indico para todos, qualquer um pode ler este livro, ele é essencial.  

                                            Por: Gabriela Carvalho

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário