Resenha: Morte Súbita | J.K Rowling


Título: Morte Súbita
Autora: J.K Rowling
Editora: Nova Fronteira
Número de Páginas: 501
Classificação : ★★★★★

Sinopse:

Quando Barry Fairbrother morre inesperadamente aos quarenta e poucos anos, a pequena cidade de Pagford fica em estado de choque. A aparência idílica do vilarejo, com uma praça de paralelepípedos e uma antiga abadia, esconde uma guerra. Ricos em guerra com os pobres, adolescentes em guerra dos seus pais, esposas em guerra com seus maridos, professores em guerra com alunos... Pagford não é o que parece ser à primeira vista. A vaga deixada por Barry no conselho da paróquia logo se torna o catalisador para a maior guerra já vivida pelo vilarejo. Quem triunfará em uma eleição repleta de paixão, ambivalência e revelações inesperadas?

Resenha:

Estou sem palavras para descrever a perfeição desse livro, então começarei esta resenha falando sobre a autora dele. Para quem não sabe (acho que todo mundo já sabe, mas enfim...) J.K Rowling é autora dos sete livros que compõe a série Harry Potter, que foi publicada entre 1997 e 2007. Harry Potter já ultrapassou a marca de 450 milhões de exemplares vendidos em mais de 200 países. Quando J.K Rowling anunciou que lançaria um novo livro, todo o mundo (literalmente) pensou que seria um livro falando sobre um castelão encardido cheio de perigos e etc... Mas então, veio a bomba: este novo livro seria um livro adulto, e nada teria em comum com Harry Potter a não ser a autora.

Quando comprei Morte Súbita, eu não sabia nada sobre a história (nem a sinopse). Só comprei ele por causa da autora, pois sou fã da J.K Rowling. O bom de ler esse livro sem saber absolutamente nada sobre ele é que li ele completamente sem spoilers (isso tem sido bem raro para mim, já que fico pedindo spoilers para os meus amigos). Enquanto eu li Morte Súbita, me senti em uma montanha-russa. Há cada capítulo, havia uma nova revelação, e há cada nova revelação, eu me surpreendia ainda mais com esse livro.

Não sei se todo mundo vai se sentir confortável lendo esse livro, porque é comum encontrar nele cenas de adolescentes usando drogas, sexo, estrupo e muito mais.

Um dos pontos fortes desse livro são os personagens. De longe, o meu personagem favorito desse livro é Andrew Price, por mais que ele tenha um lado negro.

***

Assumo que quando me falaram que a Nova Fronteira iria publicar este livro aqui no Brasil, fiquei completamente irado. Pensei que iriam haver milhões de erros de português e que a capa seria brilhosa, mas felizmente, não foi bem assim. 

Encontrei alguns erros de português nesse livro, mas, esse é o único defeito dele. A capa é linda, meio emborrachada, assim como a edição americana. As orelhas do livro são grandes, e o livro é impresso em Chambril Avena (uma espécie de papel que torna a leitura mais confortável). A editora Nova Fronteira está de parabéns! :-D

***

E agora, pra encerrar, quero contar uma coisa para vocês. Descobri que este livro irá ganhar uma série de televisão, e então fiz uma lista de atores que recomendo para fazerem alguns dos personagens principais do livro. Espero que gostem! haha

Então o que acharam?

Observação: sim, eu coloquei J.K Rowling na lista, porque ela é perfeita para o papel de Mary Fairbrother.


Resenha feita por: Matheus Faleiro



Comente com o Facebook:

3 comentários:

  1. Também acharia legal os atores como esses personagens: Don Rickles como Howard Mollison, Diane Keaton como Shirley Mollison, Mark Moses como Simon Price, Daniel Flaherty como Andrew Price, James Newman como Bola Wall, Keira Knightley como Key Bawden... ficaria bem americanizado, hahahaha... mas é legal imaginar a história com esses atores, kkkk

    ResponderExcluir
  2. Maria Eduarda Couto7 de fevereiro de 2015 15:16

    Cara vc me convenceu!!! Vou ler esse livro embora tenha apenas 14 anos de idade :P

    ResponderExcluir
  3. Acabei de lê-lo agora! Achei realmente incrível, apesar de alguns amigos terem dito que o livro decepcionou. Admito que no começo me frustrei um pouco, talvez por estar esperando algo extraordinário, por se tratar da JK. Depois de um tempo, deixei de lado as expectativas, pois apesar de ser a JK de HP, ela era também nesse momento uma autora se aventurando em um novo gênero literàrio. Fui me apaixonando durante a leitura e achei simplesmente perfeita a teia que ela conseguiu criar com tantos personagens de uma forma tão bem construída em um mesmo núcleo. Além disso, o livro realiza várias críticas sociais muito boas dentro desse mini-universo de Pagford. Enfim, recomendo!

    ResponderExcluir