Resenha: Sangue na Neve | Lisa Gardner




Título: Sangue na Neve
Autora: Lisa Gardner
Editora: Novo Conceito
Número de páginas: 416
Classificação: 

Sinopse

A policial Tessa Leoni matou seu marido, Brian Darby, em legítima defesa. A arma do crime está à vista de todos e os hematomas no corpo de Tessa confirmam a ocorrência. A policial também não fez questão de fugir, ou de arrumar qualquer justificativa para explicar aquele corpo estendido no chão da cozinha, portanto, aparentemente, o que a investigadora D.D.Warren tem à sua frente é o desfecho de uma briga doméstica. Um caso simples. No entanto, ao abrir o inquérito, D. D. terá uma surpresa: este não é o primeiro homicídio de Tessa Leoni e — afinal — onde está a filhinha de seis anos da policial? Será que a policial Leoni realmente atirou em seu marido para matá-lo? Uma mãe seria capaz de prejudicar intencionalmente sua filha? D. D. Warren, a experiente detetive que acredita que desvendar um caso é como mergulhar na vida do criminoso, enfrentará mais uma investigação que a levará a uma busca frenética por uma criança desaparecida enquanto tenta encaixar as peças de um mistério familiar que a levará a quebrar os muros do corporativismo policial.

Resenha

   Peguei esse livro gostando muito da capa. Sério, ela me pareceu misteriosa, como se tivesse algo por trás daquela pessoa andando completamente de preto na neve... mas tenho que dizer que me decepcionei um pouco.
   O livro tem uma boa narrativa e a autora soube como complicar a mente do leitor, colocando fato sobre fato e criando um clima de mistério do que realmente aconteceu com a morte do marido e a filha desaparecida de Tessa Leoni (que eu por acaso achei muitíssimo mais interessante do que a própria detetive D.D. Warren).   
   Nas primeiras 50 páginas, eu já estava agoniado: a palavra trooper, que representa um policial, aparece umas 40 vezes. Sério, ler trooper umas três vezes por página cansa.
   “Quem você ama?”
   O livro é dividido em capítulos contados por D.D. e Tessa, que passam a ter uma relação de gato e rato, mesmo que controladas. Ambas são inteligentes e até algumas vezes imprevisíveis, mas Tessa se mostra sempre três passos a frente.
   “Eu abandonei a negação. Abracei o caos. E aprendi que era uma pessoa mais dura do que imaginava.” 
   Em parte, o final foi interessante e ao mesmo tempo decepcionante, afundando um pouco a estória pelo fato de você se confundir um pouco com todo o trajeto. Mas admito que ainda penso em ler o “Viva Para Contar”, quarto livro (sendo o primeiro no Brasil) da série da detetive D.D. Warren.
      “É assim que se enlouquece? Percebendo todas as formas como se pode morrer?”

     Não sei se recomendo a leitura. Ainda não me senti muito fã da autora. Apesar de eu ser mais do estilo Harlan Coben. Então se você gosta de um gênero mais policial/drama, não vai se arrepender.

3 comentários:

  1. Sou totalmente fan da autora, gostei de sua resenha e entendi sua indecisão, a Lisa causa isso na gente mesmo.
    Vou devorar esse livro em breve, daí te conto aqui se curti como amei o Viva para contar.
    Beijos e excelente resenha.
    Viviane
    Razão e Resenhas

    ResponderExcluir
  2. Depois de ler Harlan Cobene não gostar, livros assim me deixam cismada, mas este parece ser bom! :D

    beijos
    tamigarotaindecisa.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi, tudo bom?
    Passando para deixar um comentário rsrs
    Adorei a resenha , mas pela sua avaliação não sei se leria .
    Não gosto muito do gênero , mas ok :)
    Beijos*-*
    Território das garotas
    http://territoriodascompradorasdelivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir