Resenha: Divergente | Veronica Roth

Título: Divergente
Autor: Veronica Roth 
 Editora: Rocco
 Número de páginas: 504
Classificação: ★★★★★

Sinopse:

Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em 5 facções: Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível.
Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto. A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é. E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.

Resenha:
Você já parou para pensar como seria se as pessoas viessem com uma placa ou algo que deixasse exposto a característica dominante em seu comportamento? Como seria já saber o que esperar de alguém? Bem, Veronica Roth pensou e criou um mundo em resposta a essas hipóteses.
Assim que abrimos o livro nos deparamos com Beatrice, vivendo em um mundo dividido em cinco facções:  Abnegação, Franqueza, Audácia, Amizade e Erudição.
“— Trabalhando juntas, as cinco facções têm vivido em paz há anos, cada uma contribuindo com um diferente setor da sociedade. A Abnegação supriu nossa demanda por líderes altruístas no governo; a Franqueza providenciou líderes confiáveis e seguros no setor judiciário; a Erudição nos ofereceu professores e pesquisadores inteligentes; a Amizade no deu conselheiros e zeladores compreensivos; e a Audácia se encarrega de nossa proteção contra ameaças tanto internas quanto externas.”
Nossa garota tem 16 anos, cresceu no mundo da abnegação, onde foi orientada a abrir mão de qualquer tipo de conforto, que vai dos alimentos mais simples à não utilização de espelhos, seu mundo tinha apenas uma cor: Cinza, e essa não parecia ser a sua favorita. A acompanhamos na difícil trajetória da cerimônia da escolha, começando pelo teste de aptidão.
“Hoje é o dia do teste de aptidão que me mostrará a qual das cinco facções eu pertenço. E amanhã, na Cerimônia de Escolha, escolherei uma; escolherei o caminho que vou trilhar pelo resto da minha vida; escolherei se devo ficar com minha família ou abandoná-la”
Beatrice tinha muitos questionamentos internos, mas uma certeza. Seu irmão Caleb, esse sim tinha nascido pra ser da abnegação, tinha certeza que na sua vez ele escolheria ficar, o que tornava aceitável seus pensamentos de mudança, sua família ainda teria um deles.
No teste ela é submetida a uma máquina que tira dela, através de uma manipulação mental, a qual facção ela pertence. Acontece que seu exame revela um resultado imprevisto: ela não pertence a nenhuma facção, ela é uma Divergente e aqueles que são descobertos, são banidos. Existe somente uma coisa pior do que ser sem-facção, a morte.
E agora? O que fazer? Qual caminho escolher? Como se camuflar diante de tanta tecnologia capaz de captura-la no menor deslize? Então, ela escolhe. Talvez não a facção mais apropriada para sua situação, mas a que a faz se sentir no caminho certo, pelo menos em alguns momentos.
Assim Beatrice vira Tris. E nos leva a testes e ambientes de tirar o fôlego, seja em aventuras ou suspiros pelo Orientador dos iniciandos de sua facção o Quatro, nosso herói bondoso com uma essência maldosa e completamente sedutora, que nos dá algo grande, mas não tão romântico assim, não espere nada meloso do Quatro.
Mas há algo errado no mundo que sempre conheceu. Não existe satisfação que dure para sempre. A ordem rotineira, sem mudanças leva ao vazio.
“Os humanos não conseguem tolerar o vazio por muito tempo.”
Então, somos levados por uma aventura extasiante em uma narrativa intensa e fluente. Eu sorri, chorei e até gritei de raiva e quando vi o livro já tinha acabado. Me deixando completamente imersa nesse mundo, que mostra que o ser humano não pode ser definido. É justamente sua Divergência que traz a evolução, mudanças, o que pode ser uma vantagem ou um grande perigo.



Por: Jéssika Malvina

4 comentários:

  1. Comecei a ler Divergente e achei ótima a história. A escritora é bem simples, escreve de um jeito que às vezes deixa a desejar, mas na maior parte do tempo te prende nesse mundo de facções. Gostei bastante no momento em que eles pulam do telhado, quando recomeçam suas vidas e mudam de nome. Beatrice me surpreendeu bastante em algumas partes, tenho que voltar a ler o quanto antes.

    terradefagulhas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Esse livro é maravilhoso, minha distopia favorita, estou ansiosa para ler Insurgente, esse livro promete grandes revelações.
    http://exceptionss.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Amei sua resenha *.*
    Estou bem a fim de ler essa trilogia, mas ainda não vou comprar os livros, estou em atraso com várias séries, para comprar e ler, aja dinheiro...rsrs

    Ili, estou com meu pulso infeccionado, usando imobilizador, então desculpe o comentário ser mais curto, já que adoro falar muito...rsrsrs esculpe também o atraso na visita. Beijos

    Viviane
    Razão e Resenhas

    ResponderExcluir
  4. Divergente ta na minha lista de favoritos!!! Muuuito bom!



    http://foreverabookaholic.blospot.com.br

    ResponderExcluir