12 meses, 12 cores | Maio Laranja



Laranja; alegria, vitalidade, prosperidade e sucesso.

Laranja é uma cor quente. Não é a toa que transmite energia e entusiasmo. Remete também ao sol e o calor. O mês inteiro é coberto por uma estação em específica: o outono. O alaranjado das folhas e a luz do sol formam uma paisagem digna de filmes. Entretanto, Salvador (não posso me referir ao Brasil por não conhecer suficientemente as outras cidades e estados) foge um pouco desse padrão de estações "Primavera – Verão – Outono – Inverno". Uma aura laranja significa autocontrole, ambição, coragem.







A presença mais forte da cor talvez esteja no pôr do sol. Considero um dos momentos mais marcantes de um dia típico: é o término de um dia, o momento de um (re)começo. Sozinho, acompanhado por mais um, dois ou cinco, o pôr do sol talvez seja aquele tipo de momento que nunca perde a graça.







Ao redor do mundo, a cor possui inúmeros significados. É fortemente ligada ao budismo, onde os monges a consideram a cor da coragem e do espírito de sacrifício. Na China, é considerada a cor da transformação. Na Holanda, é sinônimo de esporte: no futebol, mais especificamente na copa de 1974, a equipe de jogadores ficou mundialmente conhecida como Laranja Mecânica (em homenagem ao livro e filme). E é daí que surge a indicação do mês!

Publicado em 1962 por Anthony Burguess e imortalizado quase 10 anos depois por Stanley Kubrick, Laranja Mecânica é um relato de um jovem delinquente, Alex, um garoto de 15 anos que, aliado a seus três druguis, vive de roubos, ultraviolência e o velho entra-e-sai. Em uma habitual noite de crime, o grupo de adolescentes ― formado por Alex, George, Pete e Tosko ― decide assaltar a casa de uma velha senhora, em um ponto mais nobre da cidade. Entretanto, em meio a uma confusão, Alex é pego pela polícia e preso, condenado a quatorze anos de prisão. 
   Lá dentro, após dois anos, Alex se envolve na igreja. Movimentado pela ânsia de sair, ele ouve os comentários que se espalham pela cadeia: um método inovador e que promete retirar o detento detrás das grades, para nunca mais voltar, conhecido posteriormente como Método Ludovico, um projeto do governo para diminuir a população dos presídios, cada vez mais cheios. Ele utiliza doses de um medicamento que causam enjoo e repulsa quando associados a qualquer fator criminoso, como roubo e agressão. Em outras palavras, o indivíduo se torna condicionado a não cometer essas atitudes, sendo impelido a tomar medidas que não envolvam violência ou qualquer outro comportamento agressivo.



   Fortemente crítico, o livro se trata de uma experiência única: é a união forçada entre um organismo vivo com um mecanismo frio e morto.


"Bondade é algo que se escolhe. Quando um homem não pode escolher, ele deixa de ser um homem."
– Página 142 –

   A resenha completa pode ser lida no link abaixo, junto com links das postagens anteriores.
   Abraços e até o próximo mês!

3 comentários:

  1. Gostei muito! Vim atraída pelo nome, pela cor... E me deparei com o Laranja Mecânica que sempre vejo por ai mas nunca peguei pra ler. Fiquei muito feliz de saber do que se trata e me bateu até uma certa curiosidade para lê-lo. Amei o post!

    Nuvem de Novembro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Isa! Caso tenha gostado mesmo, dá uma olhada nas outras postagens!

      Laranja Mecânica é muito bom! Além do livro, adoro a adaptação do Kubrick. Super recomendo os dois 💙

      Excluir
  2. O Senhor é Dixtruidor meXmo, hein?!
    <3
    Nem preciso dizer o quanto sou apaixonado por suas fotos e já te falei minha opinião sobre essas porque né... Já disse.
    Mas adorei mais informações sobre as cores.
    E quero ler a indicação! <3 Ah, se quero!

    Bjão.
    Diego, Blog Vida & Letras
    http://blogvidaeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir