RESENHA: O JOGO DA IMITAÇÃO | Morten Tyldum

Título Original: The Imitation Game
Gênero: Biografia, drama
Elenco: Benedict Cumberbatch, Keira Knightley, Matthew Goode
Classificação: 12 anos

Sinopse
Durante a Segunda Guerra Mundial, o governo britânico monta uma equipe que tem por objetivo quebrar o Enigma, o famoso código que os alemães usam para enviar mensagens aos submarinos. Um de seus integrantes é Alan Turing (Benedict Cumberbatch), um matemático de 27 anos estritamente lógico e focado no trabalho, que tem problemas de relacionamento com praticamente todos à sua volta. Não demora muito para que Turing, apesar de sua intransigência, lidere a equipe. Seu grande projeto é construir uma máquina que permita analisar todas as possibilidades de codificação do Enigma em apenas 18 horas, de forma que os ingleses conheçam as ordens enviadas antes que elas sejam executadas. Entretanto, para que o projeto dê certo, Turing terá que aprender a trabalhar em equipe e tem Joan Clarke (Keira Knightley) sua grande incentivadora.





Resenha

 Filme de 2014 aclamado pela crítica que rendeu 8 indicações ao Oscar, tratasse da vida do matemático Alan Turing e sua contribuição para a Inglaterra durante a Segunda Guerra, e influencia digital contemporânea. 

 Durante muito tempo não se sabia como a Inglaterra conseguiu se livrar dos ataques alemães e muito menos da imensa ajuda de Allan para a vitória da Inglaterra na guerra e criação das maquinas digitais. Parte da falta do reconhecimento desse gênio foi por segredo do descobrimento do código e devido a sua opção sexual na qual a crítica durante o filme assim como a genialidade feminina representada por Joan.

O foco do filme é a criação máquina e as dificuldades encontradas todas superadas por Alan que é super dedicado ao trabalho e seus sonhos. Porém a ideia de Alan parecia muito insana e não foi aceita pelo grupo responsável pela quebra do enigma com excesso de Joan que sempre o apoiou e foi fundamental para o funcionamento da máquina e para a estabilidade mental de Alan. 

Recomendo esse filme para pessoas de interesse em história e no funcionamento do preconceito no século XX.,assim como a influência na tecnologia. Podendo refletir de como a guerra pode trazer o desenvolvimento tecnológico. 




4 comentários:

  1. Olá Laura!! Este filme é realmente muito bom! Gostei bastante quando assisti, principalmente por não ser um filme previsível. Sem contar a atuação do Benedict Cumberbatch que é perfeita!
    Só uma dica, as letras da sua resenha estão muito pequenas e difíceis de ler.. Mas parabéns pelo blog!
    http://saberes-literarios.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Esse filme é ESPETACULAR! E o Benedict é muito amor no coração <3

    Um Metro e Meio de Livros

    ResponderExcluir
  3. MUITO BOM ESSE FILME!!!

    www.maisumleitor.com

    ResponderExcluir
  4. Definitivamente, ética e ciência em tempos de guerra. O interessante é que O jogo da imitação, em princípio, parece-II Guerra Mundial. Tem soldados, tanques, ecos de bombas, a sombra de Hitler. Avanços, percebemos que abrange mais do que um evento histórico. abrangido pela presente de nossas vidas. Alan Turing foi um herói injustamente esquecido. Turing não existiria sem Bill Gates ou Steve Jobs não teria existido. Mesmo algumas lendas atribuído à Apple Turing Wolf.

    ResponderExcluir