Resenha: O Menino que Desenhava Mostros I Keith Donohue

Título: O Menino que Desenhava Monstros
Autor: Keith Donohue
Editora: DarkSide Books
Páginas: 256
ClassificaçãoNenhum texto alternativo automático disponível.Nenhum texto alternativo automático disponível.Nenhum texto alternativo automático disponível.Nenhum texto alternativo automático disponível.Nenhum texto alternativo automático disponível.

Sinopse: Jack Peter é um garoto de 10 anos com síndrome de Asperger que quase se afogou no mar três anos antes. Desde então, ele só sai de casa para ir ao médico. Jack está convencido de que há de monstros embaixo de sua cama e à espreita em cada canto. Certo dia, acaba agredindo a mãe sem querer, ao achar que ela era um dos monstros que habitavam seus sonhos. Ela, por sua vez, sente cada vez mais medo do filho e tenta buscar ajuda, mas o marido acha que é só uma fase e que isso tudo vai passar.
Não demora muito até que o pai de Jack também comece a ver coisas estranhas. Uma aparição que surge onde quer que ele olhe. Sua esposa passa a ouvir sons que vêm do oceano e parecem forçar a entrada de sua casa. Enquanto as pessoas ao redor de Jack são assombradas pelo que acham que estão vendo, os monstros que Jack desenha em seu caderno começam a se tornar reais e podem estar relacionados a grandes tragédias que ocorreram na região. Padres são chamados, histórias são contadas, janelas batem. E os monstros parecem se aproximar cada vez mais.
Na superfície, O Menino que Desenhava Monstros é uma história sobre pais fazendo o melhor para criar um filho com certo grau de autismo, mas é também uma história sobre fantasmas, monstros, mistérios e um passado ainda mais assustador. O romance de Keith Donohue é um thriller psicológico que mistura fantasia e realidade para surpreender o leitor do início ao fim ao evocar o clima das histórias de terror japonesas.



                                                        Resenha 


O Menino que Desenhava Monstros, como descreve-lo?? Altamente delicado, envolvente, e levemente assustadora. 

A historia não fala especificamente e somente sobre um menininho medroso, desenhando monstros, mas de pais preocupados em dar o melhor para o seu filho, em protege-lo e encontrar a melhor forma que cuidar e compreender ele. Não é sobre medos comuns de criança. Como o monstro do guarda roupa ou embaixo da cama. São monstros mais reais, e cheio de traumas, que é quase impossível se recuperar.

“ Tim apagou o desenho no vidro, deixando um rastro úmido. Ele se sentia como um criminoso destruindo provas e não conseguia se desfazer da impressão de que havia um conspirador ali, bem atrás dele”.


O livro se torna uma deliciosa leitura porque ele não te entrega a historia de bandeja, nem te faz roer as unhas a espera de coisas que não vai acontecer. Keith faz a estoria fluir a seu próprio ritmo, nos levando a um final esmagador, sem porquês, ou frustrações.
A historia se desenvolve em uma busca por respostas, pela fé, pelo mito, pelas lendas. A trama se prende e se desenrola misturando Potergeist's, Lendas Japonesas e monstros .

Jack Peter Kennan vive em um vilarejo na costa do Maine com os pais, No inverno ha tempestades de neve, e o mar congelante, e a floresta sombria isolam a todos, exceto por amigos da cidade, como os Weller, do qual os Kennan conhecem desde... sempre. Jack tem dez anos e é portador da Síndrome de Asperger, uma especie de autismo que dificulta a socialização e comunicação com as pessoas, e que se agrava apos o quase afogamento de Jack e Nick num dia ensolarado de praia no Maine, quando tinham 7 anos, causando um trauma psicológico em Jack revelado em uma fobia por lugares abertos. Agora Jack, sempre preso em casa, sentindo se protegido através das janelas e portas, recusa-se a sair para o mundo exterior. Pra passar o tempo ele adquiri o habito de guerras de soldadinhos, jogos, e o mais comum O desenho de Monstros. 

Os problemas com Jack se intensificam a cada dia . Pequenos movimentos como o toque o deixa extremamente violento e ele passa a ficar mais estranho do que de costume. Suas reclamações de monstros ao redor da casa são o centro de suas queixas. E assim como todos pais os Kennan não acreditam muito, Ate coisas estranhas também acontecerem com eles. Como batidas nas paredes, Gavetas que se sacodem, e um possível homem branco e nu que some todas as vezes que o Senhor Kennan acha que o viu. 

Nick, o único amigo de Jack também se vê rodeado neste mistério assustador, sem ter muitas certezas de como ou porque, pra ele a unica coisa certa é que o estranho Jack Peter é o causador de tudo.


"O garoto tomou coragem e entrou em casa. Pelo resto da manhã, eles ficaram se analisando, cautelosos como dois ursos, Jack Peter desconfiado e ressentido porque seu amigo o havia largado sozinho, e Nick paranoico com o que ele estaria aprontando. O sr. Kennan circulava em torno, arrumando a casa e tomando conta dos garotos, vagamente consciente da tensão entre os dois."

O livro é leve de uma maneira diferente de livros de horror já lidos, Keith não pretende prender o folego do leitor em pequenos sustos de narrativa que não dão em nada, ou decepcionam ao final. 

A trama é narrada de maneira curiosa e sem grandes expectativas. O final porém é como um soco na boca do estomago ,do tipo amigo que diz em altas gargalhadas "Bem feito". 


0 comentários:

Deixe seu comentário