Top 5 – Garotos Malvados




 “Você é maldoso, arrogante e sarcástico. Pode me pegar às oito!”
Não sei vocês, mas tem vilões – ou nem tão vilões assim - que fazem meu coração bater mais forte. Sejam eles levemente maldosos, mal compreendidos ou só sádicos, é impossível não amá-los. E nós os odiamos com muito amor.
Em especial nos livros. Eles tem língua ferina, um jeito glamoroso de nos irritar e a compartilham aquele charme – ah! O charme! – que nos impede de esquecê-los. Eles não valem nada, e os amamos por isso.
Eu sempre quis dizer aquela frase lá de cima para esses cinco:




Draco Malfoy – Harry Potter, de J.K. Howling: Olhos acinzentados, pele pálida, cabelos louros. Um pouco covarde, é bem verdade. Não o chateie, ou o pai dele “vai ouvir falar disso”. Um dos primeiros casos de bullying que conheci, e um garoto “que fez todas as escolhas erradas”. Eu o odiei por tanto tempo (considerando-se que foram sete livros), que não consigo esquecê-lo. E ele tem aquele jeito desdenhoso e arrogante que eu acho um charme.




    Will Herondale –As Peças Infernais, de Cassandra Clare: Olhos claros, cabelos negros. Tem combinação melhor do que essa? Sim, tem. Olhos claros, cabelos negros e mal comportamento. Will Herondale não era exatamente mau, mas a gente demora para descobrir isso. Principalmente com ele se esforçando tanto para parecer deselegante e pervertido. Dono de um porte atlético invejável (afinal, a profissão dele é matar demônios), um gosto bastante refinado para literatura e uma língua que pede novas definições para figuras de linguagem como sarcasmo e ironia, não tem como não balançar por ele. Mesmo quando ele está sendo irritante de maneira desnecessária.





    Mr. Darcy 
– Orgulho e Preconceito, de Jane Austen: Tudo bem, eu admito. A Senhorita Austen sabia o que estava fazendo. Mr. Darcy também não está do lado negro da força, mas é como se estivesse. Ele é particularmente irritante, com sua superioridade e autossuficiência. Seu pior defeito é ter muito dinheiro. E berço. Sim, você me ouviu (ou leu). Senhorita Lizzy passa boa parte da narrativa nos mostrando como ele é autoconsciente de sua superioridade em relação aos outros. Por mim, tudo bem. Ele é tudo isso mesmo.




    Christian Grey – Cinquenta tons de Cinza, de E. L. James: Christian é um pouco problemático (um pouco por minha conta). Ele é descrito como absurdamente lindo, desses que te tiram o fôlego assim que você o vê, mas também é sádico e maníaco por controle. E tem gostos um pouco... peculiares quando relacionados a determinados assuntos. Um relacionamento saudável com ele está meio fora de questão, mas quem precisa de relacionamentos saudáveis quando pode ter um maníaco exuberante para controlar sua vida enquanto te leva para passear de helicóptero? No helicóptero dele, diga-se.




    Heathcliff – O Morro dos Ventos Uivantes, Emily Brönte: Esse é não apenas “do mau”. Ele é o lado negro da força inteirinho! Vestiu a camisa (que deve ter ficado ótima nele), fez e aconteceu. Do tipo que tem braços fortes (ele faz trabalho braçal) e pele morena, Heathcliff é cruel e ficou amargurando por não ter a garota pela qual estava apaixonado. Por isso, resolveu infernizar a vida de todo mundo. E conseguiu. Ele é tão irritante, tão cruel e mesquinho, que eu nem consegui passar meu número de telefone para ele. Mas tudo bem. Eu sei que ele só tem olhos para a Catherine, e ela é louca igualzinho.  

E aí, babou por quais deles? Haa.



3 comentários:

  1. Eu gostaria de um Mr. Darcy, por favor. Eu simplesmente não consigo não amá-lo de todo o meu coração. É o meu personagem masculino favorito, apesar de eu ter uma "queda" por uns e outros ai (Grey)

    ◄ http://www.laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Débora!
      Depois que eu li o livro, confesso que o Mr. Darcy do filme ficou um pouco sem graça!!! O Darcy do livro é muito mais interessante, porque ele é irritante demais e depois passa a ser fofo e lindo demais!! kkkkk
      Concordo com você - não dá para não amar Darcy!!
      Beijos.

      Excluir