Resenha: Garota Exemplar | Gillian Flynn


Título: Garota Exemplar
Autor: Gillian Flynn
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 448
Classificação: 
★★★★ 

Sinopse:

Uma das mais aclamadas escritoras de suspense da atualidade, Gillian Flynn apresenta um relato perturbador sobre um casamento em crise. Com 4 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo – o maior sucesso editorial do ano, atrás apenas da Trilogia Cinquenta tons de cinza –, “Garota Exemplar” alia humor perspicaz a uma narrativa eletrizante. O resultado é uma atmosfera de dúvidas que faz o leitor mudar de opinião a cada capítulo. Na manhã de seu quinto aniversário de casamento, Amy, a linda e inteligente esposa de Nick Dunne, desaparece de sua casa às margens do Rio Mississippi. Aparentemente trata-se de um crime violento, e passagens do diário de Amy revelam uma garota perfeccionista que seria capaz de levar qualquer um ao limite. Pressionado pela polícia e pela opinião pública – e também pelos ferozmente amorosos pais de Amy –, Nick desfia uma série interminável de mentiras, meias verdades e comportamentos inapropriados. Sim, ele parece estranhamente evasivo, e sem dúvida amargo, mas seria um assassino? Com sua irmã gêmea Margo a seu lado, Nick afirma inocência. O problema é: se não foi Nick, onde está Amy? E por que todas as pistas apontam para ele?



Resenha:

Subestimei muito este livro. Não acreditava que seria tão bom a ponto de estar na lista dos melhores do ano e na lista das melhores adaptações. Quando algo chama muita atenção assim, dificilmente me interesso. No fim, me rendi à obra e me arrependi por não ter feito isso antes. É extremamente difícil resenhá-la, porque qualquer descuido é sinal de spoiler.
Amy e Nick Dunne formam o casal perfeito. Ele, um jornalista especializado em cinema e ela, uma psicóloga que cria testes de personalidades para revistas femininas. Além disso, Amy é a protagonista de uma série de livros infantis criada pelos seus pais escritores, intitulada Amy Exemplar. Os dois parecem viver o famoso sonho americano, mas tudo vira de cabeça para baixo quando Nick perde o emprego e é obrigado a voltar para sua cidade natal - arrastando Amy junto - para cuidar da mãe doente. 
Minha mãe sempre dissera ao filhos: se você está prestes a fazer algo, e se quer saber se é má ideia, imagine impresso no jornal para o mundo todo ver.
Porém, as coisas realmente começam a desmoronar para ele, quando no dia do seu quinto aniversário de casamento, Amy simplesmente desaparece, deixando como pista um diário, que descreve sua vida conjugal desde que conheceu Nick até os dias atuais.  
O livro é narrado em primeira pessoa e alternado entre Nick e Amy. Conhecemos um marido aparentemente confuso com tudo o que acontece e um tanto alheio ao desaparecimento da esposa. Não entendemos como alguém pode ser tão frio diante de uma situação tão delicada e que requer enorme dedicação. Tudo parece muito suspeito.
Por outro lado, temos Amy nos mostrando sob seu ponto de vista, como seu casamento foi resumido a algo que ela sempre detestou. É evidente que o distanciamento de Nick e sua forma de agir como esposa estão longe de seus altos padrões, impostos por ela mesma, já que seu perfeccionismo beira o radical. Vemos como ela tenta contornar a situação, na esperança de ainda salvar seu relacionamento. 
É humilhante se tornar a coisa de que você caçoava.
E quando quase temos a certeza do que aconteceu, a autora dá uma guinada extraordinária na estória, nos arrebatando para um universo doentio de uma mente sinistra. Aqui, os personagens são humanos, instáveis e detestáveis e Gillian aborda com maestria o fato de nada ser o que parece ser. Eu já disse em outra resenha o quanto gosto do jeito como essa autora cria seus protagonistas, principalmente as mulheres, fortes e nada apáticas. 
As pessoas querem acreditar que conhecem as outras. Pais querem acreditar que conhecem seus filhos. Esposas querem acreditar que conhecem seus maridos.

Embora o começo seja um tanto enfadonho, já que Nick não se esforça nada para ao menos tentar nos conquistar, o que segue depois disso te prende e te faz querer desatar todos os nós. Este foi mais um daqueles livros que precisei de dias para digerir, juntar cada peça mais de uma vez, para prestar atenção no que havia deixado passar. Sobre o polêmico final, não foi o que eu esperava, assim como todo o enredo em si. Então, foi perfeitamente aceitável e compreensível, se observado pela perspectiva da natureza do relacionamento do casal.
Gillian Flynn, sem sombra de dúvidas é uma das maiores apostas da literatura no que diz respeito a suspense e thriller psicológico. 


0 comentários:

Deixe seu comentário