Crítica : Ligados pelo Amor | Stuck In Love



Sinopse :

O escritor Bill Borgens precisa esquecer sua ex-mulher e seguir em frente enquanto orienta também seus dois filhos adolescentes nessa confusa etapa da vida.




‘’ Lembro que doeu, olhando sua dor...’’

Ligados pelo amor, é um filme que se caracteriza pela reflexão. Não denso e maçante, mas traz o que um bom drama necessita: bons questionamentos. Mesclado com um elenco jovem e consagrado, nomes como Lilly Collins, Kristen Bell, Logan Lerman, Greg Kinnear e Jennifer Connelly, dão a vida aos personagens dirigidos por Josh Boone (diretor de a Culpa é das Estrelas).

Filme trata de um grande escritor que vive um bloqueio criativo a algum tempo, tem dois filhos e de uma maneira ou de outra, busca ensina-los a navegar pelo mundo das palavras. Vive em constante conflito, por amar e esperar a egressa esposa a qual seguiu com a vida. Dado o plot inicial, não estragarei com spoilers, podemos notar alguns fatores relevantes.

'' Se o amor, é isso, eu acho que passo''


O antigo titulo do projeto, Writers, revelava mais a respeito do que o espectador encontraria durante sua jornada.

Ele inspira.

Como?

Durante o filme, você se identificará com cada um dos personagens. Por ter vivido, viver ou irá viver, algo semelhante ao que cada um se encontra. Tivemos amores platónicos que julgávamos inalcançáveis a ponto de apenas admirarmos, escrevermos e sonharmos. Uma fase na qual, reconhecemos que a solidão é uma companhia agradável, não buscamos proximidade e as relações são pontuais, com inicios e pontos finais. Sem permissão que haja meios, voltas e reinvenções. E é claro, não podemos fugir da separação inevitável. Cada personagem simboliza momentos claros, porém, um velho amigo sempre dizia, ‘’ o que importa, não é o lápis e sim a borracha’’.


No emaranhando de sentimentos, Stuck in Love (Ligados pelo Amor), gera a necessidade de escrever. Sobre algo, alguém, o futuro, o passado, o presente. Um sonho, uma decepção, uma segunda chance e porquê não, um amor? E como não poderia deixar de ser, está disponível no Netflix.


                                    

                                       Escrito por Michael Militão


0 comentários:

Deixe seu comentário