Resenha: Deixa Ela Entrar | John Ajvide Lindqvist

Título : Deixa Ela Entrar
Autor: John Ajvide Lindqvist 
Editora: Globo Livros
Páginas: 500
Classificação: 

Sinopse: Oskar, um garoto de doze anos, vive com a mãe no subúrbio de Estocolmo, na década de 1980. Solitário e alvo de bullying na escola, passa o tempo lendo e colecionando notícias sobre serial killers e planejando se vingar de seus perseguidores. No entanto sua rotina é alterada quando uma garota de doze anos, Eli, se muda para o apartamento ao lado. Uma profunda identificação aproxima o menino a Eli, ao mesmo tempo em que a vizinhança passa a ser assolada por uma onda de mortes misteriosas. Muito mais que sustos, o livro de Lindqvist desperta os horrores de quem tem de passar da infância para a maturidade em circunstâncias adversas e em um cenário opressivo. Com habilidade, o autor recorre a um registro naturalista, temperado de referências à cultura pop, para desenvolver uma história em que os medos são despertados tanto por elementos sobrenaturais quanto pela realidade concreta. 






                                                                Resenha  

 A trama está bem desenvolvida e embora um pouco confusa em um emaranhado de nós que vão se desenrolando ao desenvolver da história. Eli te puxa a cada página a tentar descobrir que tipo de ser, pessoa, anjo ou criança ela é. 

O suspense emerge em cada pagina do livro. Você já sabe quem é o assassino, como ele age, porque o faz. Mas não consegue não deixar de querer "ver" como será feito. 

"Mas não nesse universo. Neste universo ele ia agora até a bolsa e a abria. Não podia demorar. Rapidamente, vestiu a capa de chuva por cima da roupa e apanhou os utensílios. A faca, uma corda, um funil grande e um garrafão de plástico de cinco litros.
Depositou tudo no chão ao lado do garoto e contemplou o corpo jovem pela última vez. Depois apanhou a corda e começou a trabalhar."
Eli, nos revela ser uma criança parada pelo tempo. Congelada pela sua imortalidade. Fria, e ao mesmo tempo com sentimentos estranhos em relação a seu amigo Oskar. Por muitas vezes a gente chega a torcer por eles como casal, a tentar entender o tipo de relação dos jovens. E ao decorrer da narrativa muitas coisas ainda vão se revelando sobre Eli que nos deixa de queixo caído.

Håkan se mostra o mais doente de toda a narrativa, o apaixonado por Eli, embora saiba o monstro que ela é, e tudo o que tem feito por seu amado. E embora se mostre alguém que não deseja fazer o que faz. É como se estivesse sem controle de si, por aquele a quem procura gotas de amor.
"Entre, meu amado. Entre.
Mas a janela estava fechada e, mesmo que estivesse aberta, seus lábios não podiam formar as palavras que davam a permissão para Eli entrar no quarto. Talvez pudesse fazer um gesto que significaria a mesma coisa, mas nunca entenderia isso direito."
Quanto a Oskar, vemos o reflexo de um garoto perdido, sem amigos, talvez um pouco apaixonado pelo novo ser. Rebelde pelas coisas que lhe acontecem. Mas um garoto com todas as confusões de um jovem de sua idade. As vezes é como se ele estivesse depressivo, e como todos os assassinatos a sua volta  de certo modo.

A trama geral se desenrola em Eli, sua relação com Oscar e todos os nós que dão vidas a história baseado nos assassinatos da cidade e o relacionamento de ambos os amigos. 

Confesso que peguei o livro pra ler muito mais pela capa. Não tenho certeza se é uma história que eu estava psicologicamente preparada para entender. 

É muito mais do que apenas um vampiro no mundo moderno. É sobre violência, bullyng, pedofilia, tantas  coisas. É uma viagem confusa e interessante apesar de tudo. Deixa Ela entrar não te prende, mas te convida ao final.

1 comentários:

  1. Eu gostei da resenha, mas não sei se também estaria preparada para lê-lo no momento, acabei de terminar um livro um pouco confuso, procuro por uma leitura um pouco mais leve, mas quem sabe em uma outra oportunidade.

    www.paginadaleitura.blogspot.com

    ResponderExcluir