Resenha: O Pintor de Memórias | Gwendolyn Womack

Título: O Pintor de Memórias
Autor:  Gwendolyn Womack
Editora: Record
Número de páginas: 378
Classificação: 
Sinopse: Um amor que atravessa o tempo. Uma equipe de cientistas prestes a fazer uma grande descoberta sobre a construção da memória e um medicamento milagroso capaz de revelar um mistério antigo.
Bryan Pierce é um renomado pintor cujos trabalhos deslumbram o mundo. Mas há um segredo para seu sucesso: cada tela é inspirada em um sonho excepcionalmente vívido. Sempre que acorda, ele adquire novas e extraordinárias habilidades, como a capacidade de falar línguas obscuras ou um gênio inexplicável para o xadrez. A vida inteira Bryan se perguntou se seus sonhos eram apenas isso ou se seriam memórias, se ele estaria experimentando a vida de outras pessoas. Linz Jacobs é uma neurogeneticista brilhante, dedicada a decifrar os genes que ajudam o cérebro a criar memórias. Ao visitar uma exposição na galeria de uns amigos, ela se depara com a imagem de um pesadelo recorrente de sua infância e adolescência... em um dos quadros de Bryan. Linz localiza o artista, e o encontro dos dois desencadeia o sonho mais intenso do pintor: a visão de uma equipe de cientistas que, na iminência de descobrir uma cura para o Alzheimer, morre em uma explosão no laboratório. Bryan fica obcecado pelas circunstâncias estranhas que cercam a morte dos cientistas, e seus sonhos aos poucos revelam o que aconteceu no laboratório, assim como um mistério mais profundo que o leva ao Egito antigo. Juntos, Bryan e Linz começam a perceber um padrão em seus sonhos. E que há um inimigo mortal observando cada movimento deles que não vai parar enquanto não atingir seu objetivo. "Um thriller ambicioso que combina romance, fantasia e aventura" - Library Journal
Eleito o Best Science Fiction, Fantasy, and Horror Reads for April pela Kirkus. 



                                                – Resenha –



“Entre o começo e o fim, esta vida é apenas um momento.”
Nem sei como começar a falar desse livro. Sabe quando você tem vontade de ler um livro, mas não ‘dá nada’ pra ele? Me surpreendi, e muito, com esse aqui! 

Uma das melhores leituras do ano, com certeza.

Imagine que você possa sonhar com suas vidas anteriores. E, ao acordar, você não apenas sabe das suas vidas anteriores, como também fica com ‘os atributos’ que você tinha, sabendo falar aquela determinada língua, sabendo a profissão anterior, etc. Também sabe, ao olhar nos olhos dos outros, quem eles eram naquela vida. Bizarro, né?

Nosso personagem principal, Bryan, passa por isso. Obviamente, acham que ele é louco, e ele passou por diversos hospitais psiquiátricos. Numa das suas vidas anteriores, Bryan foi um pintor. Então, após se lembrar dessa vida, ele passa a pintar todas as suas memórias, e fica famoso.
“O pintor imaginou o que essas pessoas fariam se de repente recebessem as memórias de pessoas de etnias que haviam se acostumado a odiar.”
No outro lado, temos Linz, que é o amor de Bryan em várias vidas. Porém, ela não se lembra das coisas como Bryan e, quando eles se encontram, também acha que ele é louco. E agora não dá pra falar mais, só lendo pra saber. hihihi

Esse livro me conquistou por várias coisas: primeiramente, a história de amor é muito fofa. Aí, temos as histórias das vidas passadas, que são verdadeiras, e a gente acaba aprendendo coisas legais sobre o passado. Depois, temos a curiosidade: de onde vem essas memórias? Como Bryan consegue lembrar de tudo isso? O que acontece?
“Você conhece sua mãe como sua mãe. Mas e se de repente se lembrasse dela como sua esposa? Como sua irmã? Como seu marido? Como a pessoa que matou você? As vidas e as relações se misturam. A mente humana não está preparada para processar esse tipo de informação.”
Você passa a leitura inteira achando que entendeu tudo, que sabe quem é quem, quem ‘foi’ quem. E aí a autora vai lá e joga na sua cara que você não entendeu nada! hahahah. Eu achei o final maravilhoso.
Enfim… a mistura de romance, com ficção científica, com thriller, com personagens de diferentes épocas tornando-se a mesma pessoa depois… eu adorei.
“Nossos destinos estão interligados. Vou procurar e encontrar você de novo e de novo até voltarmos a esta vida. Nada jamais se perde.”


0 comentários:

Deixe seu comentário