Crítica | Aliados (Allied, EUA)

Título: Aliados (Allied, EUA)
Diretor: Robert Zemeckis
Roteiro: Steven Knight
Elenco: Brad Pitt, Marion Cotillard, Jared Harris, entre outros

Classificação:
Sinopse: Em uma missão para eliminar um embaixador nazista em Casablanca, no Marrocos, os espiões Max Vatan (Brad Pitt) e Marianne Beausejour (Marion Cotillard) se apaixonam perdidamente e decidem se casar. Os problemas começam anos depois, com suspeitas sobre uma conexão entre Marianne e os alemães. Intrigado, Max decide investigar o passado da companheira e os dias de felicidade do casal vão por água abaixo.

Crítica

Aliados, até que a morte os separe…
O filme Aliados é envolvente, ele nos suga o fôlego em alguns momentos, e mexe com a nossa ansiedade e desconfiança. O longa conta a história de Max Vatan (Brad Pitt) e Marianne Beausejour (Marion Cotillard), dois espiões enviados para Casablanca com uma missão a cumprir: matar um líder Nazista. Em meio a toda “farsa”, “encenação” e profissionalismo dos agentes, é possível notar a germinação de uma pequena semente de sentimento entre ambos. Eis que então surge o problema.
Marianne é uma experiente espiã, e usa o seu charme e emoções reais em suas personagens. Diferente de Max, um espião mais cauteloso e contido, que evita se envolver muito nas situações, mas ao mesmo tempo, não deixa qualquer problema atrapalha-lo em seu objetivo.


O grande “x” da questão de Aliados, surge após a missão ao qual os protagonistas foram enviados. Um tempo depois de casados, Max é convocado por um departamento do exército Inglês, e lá é informado que a inteligência inglesa suspeita da sua esposa. Seria Marianne uma espiã Nazista?


Eis então o dilema enfrentado por Vatan. Ele deixará seu amor por Beausejour o impedir de seguir corretamente os procedimentos do governo, e embarcará em uma investigação própria, sobre a real identidade da sua esposa. Ou vai honrar seu juramento e seguir todos os procedimentos necessários? O Roteiro consegue desenrolar a narrativa de uma forma simples e envolvente, uma sequência de ação aqui, outra ali, mas o restante do filme é pura incerteza, dúvida, insegurança, diálogos (muitos diálogos) e romance. Um romance avassalador e cativante.
A atuação do Sr. Brad Pitt dispensa comentários. O cara já provou que é bom encarnando personagens militares (Vide Bastardos Inglórios, Beyond All Boundaries e Corações de Ferro). Marion Cotillard, na minha opinião, é, sem dúvida uma das atrizes mais sedutoras de Hollywood. Ela consegue atrair o telespectador com seu charme, mistério, tornando impossível não se afeiçoar a suas personagens, mesmo que não seja a protagonista (Vide A origem). Seu francês é um deleite à parte, tendo até mesmo o Pitt como seu aluno. Ela sempre me encanta em suas atuações, e sua presença em um filme já o torna assistível.
A direção experiente do Steven Knight é sempre muito bem trabalhada. Eu acho que o cara está a todo momento, tentando criar um clássico, isso o torna minucioso e faz dos seus trabalhos uma obra de arte, que deixa a gente preso do início ao fim. A fotografia é muito boa, os planos e enquadramentos são agradáveis, mas nada que tenha me surpreendido muito.

Gosto da forma como o filme começa com uma paleta de cores mais amarelada e vai acinzentado enquanto a história caminha para o seu desfecho. A montagem é bem feita, cortes sutis e precisos. Toda a narrativa é feita para te amarrar do início ao fim, do roteiro à montagem.
Uma coisa que me chamou bastante a atenção foi a direção de arte e os figurinos impecáveis. A cenografia do filme é maravilhosa, seja ela CGI ou real.
A presença do August Diehl repetindo o papel de um Nazista, contracenando com o Brad Pitt, me remeteu muito a Bastardos Inglórios. E o fato de Brad Pitt ser um espião, casado com uma espiã, não te lembra algo?
Aliados é um filme que me conquistou no trailer e não me decepcionou nos seus 125 minutos de duração (Viu? é assim que se faz. Fica a dica ai…).

Eu indico este filme para todos que gostam de uma história envolvente e cheia de intrigas. E que como eu, curtem as histórias que envolvem a segunda guerra mundial.



Escrito por Háron Souzza.

3 comentários:

  1. Háron, gostei da crítica, parabéns. Vou assistir ao filme.

    ResponderExcluir
  2. Além dos fatores que entrelaçam
    O longa, descreveu de uma
    Forma bacana os aspectos
    De direção de arte, fotografia...e
    Amarração do roteiro.
    Parabéns Háron e sucesso.

    ResponderExcluir