Resenha: O Poço da Ascensão - Mistborn #2 | Brandon Sanderson

Título: O Poço da Ascensão - Mistborn #2
Autor:  Brandon Sanderson
Editora: Leya
Número de páginas: 720
Classificação:
Sinopse: A queda do Império Final trouxe a esperança. E despertou mistérios assustadores.

Numa sucessão de golpes de sorte, Elend Venture subiu ao trono de Luthadel, a principal cidade do Império Final. Nos meses que seguiram a queda do Senhor Soberano e a dissolução de seu governo, o novo rei revolucionou as relações entre os skaa – a classe social mais baixa – e os nobres, atraindo a atenção dos diversos governantes das outras partes do grande império.

Dentro das muralhas de Luthadel, o perigo espreita de todos os lados. Assassinos de aluguel alomânticos ameaçam a vida do rei, a desconfiança generalizada faz a população temer pelos rumos da cidade e desejar o retorno do Senhor Soberano, e um inverno inclemente se aproxima. Elend, Vin e o bando de Kelsier tentam manter o controle a todo custo, mas os piores inimigos ainda estão por vir.

Fora das muralhas, arma-se um cerco militar gigantesco. À frente dele, Straff Venture, o pai de Elend, um tirano cruel e desesperado pelo poder, busca invadir Luthadel. E ele não está sozinho.

Reviravoltas e surpresas marcam este segundo volume da trilogia Mistborn - Nascidos da Bruma. O destino de todo o Império Final está envolto nas brumas, e apenas uma força sobrenatural será capaz de desvendar os mistérios que assolam seus habitantes.



                                                – Resenha –


“De fato, é de se pensar que os pequenos e quietos seriam os assassinos aos quais iria querer prestar mais atenção.”
Como falar sobre esse livro? Li o primeiro e fui completamente enganada por Sanderson. Quando achei que sabia tudo o que tava acontecendo, ele foi lá e jogou na minha cara que ia me surpreender SIM. Aí li o segundo toda meticulosa, observando as entrelinhas, imaginando inúmeras coisas…e…fui enganada novamente! Parabéns, Sanderson, você realmente merece sua fama.
Sim, já emendei o terceiro e repito o que disse na primeira resenha: leia! Vale a pena… e ainda nem acabei a trilogia.

“Ser importante não é tão maravilhoso assim (…) na maior parte do tempo, é apenas incômodo.”
Essa é uma fantasia diferente de todas que você conhece. (SPOILER DO PRIMEIRO LIVRO) Afinal, no primeiro livro você vê o Senhor Soberano e pensa que ele será o vilão de tooooda a trilogia, né? Não, ele morre. E morre deixando um recado pra Vin: Será que a morte dele foi um erro mesmo?
E agora, quem/qual/o que é o vilão? — As profundezas? A bruma? Os nobres que não aceitam igualdade com os skaa?

“Há duas maneiras de permanecer em segurança (…) Ser tão quieta e inofensiva que as pessoas ignoram ou ser tão perigosa que eles ficam aterrorizados com você.”
Preciso dizer que achei incrível como Sanderson evolui os personagens sem você nem perceber. Sabe quando você vê aquelas lembranças do facebook e fala “nossa, que bom que eu mudei”? Você não percebeu essa mudança, ela ocorreu gradualmente. Sanderson faz exatamente isso com os personagens dele. Temos uma exceção: Elend. Mas foi super necessária a mudança ‘drástica’ e rápida dele. hahaha

Adorei também conhecer mais dos outros personagens. O que gosto dos ‘livros do meio’ nas trilogias é exatamente isso: já fomos inseridos ao universo, agora vamos conhecer mais os personagens e sermos preparados para o grande final. O que acontece de diferente aqui é que Sanderson não nos prepara pra nada, né. Certeza que toda e qualquer coisa que imaginei, não será o que acontecerá no terceiro volume.

O final é de tirar o fôlego. É uma facada, é uma surpresa, é avassalador. Que bom que eu já tenho o terceiro livro comigo, senão ficaria super frustrada esperando o próximo.

“Escrevo essas palavras em aço, as primeiras palavras de Kwaan, pois qualquer coisa que não seja inscrita no metal não é digna de crédito.”

0 comentários:

Deixe seu comentário