Entrevistando 5: Gustavo Campos


Olá pessoal, hoje resolvi trazer de volta para o blog entrevistas com alguns autores. Para iniciar, batemos um papo com o Gustavo Campos, autor do livro "Os Guardiões" que nos contou várias coisas. Confira:

1. Antes de tudo, como você se descreveria usando poucas palavras ?
Difícil usar poucas palavras. Sou um cara tímido, idealista, crítico e um pouco sarcástico. 

2. Essa é sua primeira entrevista a um blog ou você já fez outras?
Para blog, a primeira. Já dei entrevista para a TV e um jornal.

3. Quando você começou a escrever e quantos livros você já escreveu ( ou começou a escrever) ?
Comecei com 14 anos, como diversão. Publiquei apenas os livros I e II de Os Guardiões, mas tenho trabalhado nos livros III, IV, V e VI que, assim como os primeiros, devem ser lançados numa só obra, por questões editoriais. Escrevi também um livro de zumbis, que já estão em fase de edição.

4. Era um sonho publicar um livro ? O que te incentivou a escrever ?
Trabalhar com arte sempre foi um sonho. A ideia de segmentar no ramo da literatura veio quando essa escrita por prazer começou a ganhar um espaço grande em minha vida, maior que a de um simples hobby. Isso se uniu à minha insatisfação com algumas das histórias que acompanhava, pensando em como poderiam ser diferentes.

5. Você buscou inspiração em algum(a) autor(a)? ( ou filmes de super-heróis haha)
Não gosto de me basear em apenas um autor. Li quadrinhos, estudei desenhos clássicos e atuais, assisti muitos filmes para entender como funcionava o enredo, o que me atraía e o que me decepcionava. Não posso, contudo, negar a influência dos X-men e dos Ultimates.

6. Dizem que todos os escritores já tiveram um bloqueio mental. Você teve algum durante a criação do seu livro? Como lidou com isso?
Há dias em que nada sai e o que sai não é bom o suficiente. Em alguns dias, sentei-me em frente ao computador e não consegui produzir nada. Da primeira vez, bate um desespero, mas aprendi a ler alguma outra coisa, distrair a mente e esperar o "nó" mental ser desfeito.

7. Seu livro tem personagens incríveis , de onde veio as ideias para os super-heróis ?
Sempre gostei do tema super-heróis. Um professor que também era fã recomendou a leitura de livros que mostravam a filosofia nesse tipo de história e, extrapolando essa leitura, comecei a ver também estudos demonstrando a importância dos heróis em um contexto mais amplo. Percebi que não tínhamos heróis brasileiros, vivendo a nossa realidade e enfrentando os nossos problemas. Os heróis que temos são apenas sátiras e críticas ao país, ou os que o exterior faz para nos representar - um coadjuvante que pega fogo. Li e assisti tudo o que encontrava sobre super-heróis e quis construir um time brasileiro. As habilidades que escolhi para Os Guardiões simbolizam as características nacionais sem, contudo, deixarem de ser 'super-poderes'

8. A sua obra está dentro das suas expectativas ?
Das primeiras vezes que escrevi Os Guardiões, eles eram apenas uma reconstrução de tudo o que eu já havia visto. Ao final, relendo o livro, fiquei satisfeito em ver que criei algo original e que me prenderia como leitor. Atendeu, sim, ao que eu esperava.

9. Sabemos que é complicado escrever um livro, ás vezes demora por conta da correria do dia a dia ou outros motivos. Você demorou quanto tempo para terminar o seu?
Foram 5 anos. Escrevi a primeira versão entre 2002 e 2004. Depois, entre 2010 e 2013, reescrevi Os Guardiões até que a história chegasse ao formato atual.

10. Para você, qual foi a melhor e a pior parte no processo de publicar um livro ?
A melhor parte é conversar com os leitores e ver aqueles personagens que criei ganharem vida e terem facetas que nem eu mesmo havia percebido. A pior é, sem dúvida, a parte burocrática. Revisar o texto, escolher a gramatura do papel, costura ou cola PUR. Essa parte técnica, que nada tem a ver com a escrita, às vezes é desanimadora.

11. Com a internet, o escritor pode conhecer outros autores, publicar textos e participar de desafios literários. Mais do que uma maneira de ampliar a rede de contatos, através das interações no meio, é possível adquirir confiança e amadurecimento. Como a internet contribuiu para sua formação de escritor?
A internet ajudou em minhas pesquisas. A cada novo tema que aparecia na história, uma pesquisa era necessária e, mesmo que não houvesse a informação necessária na rede, havia a indicação da bibliografia a ser utilizada.

12. Você é ator e já fez várias peças de teatro. Pretende algum dia escrever peças também ?
Com certeza. Tenho uma peça já planejada, mas é preciso manter o foco, no momento.

13. Deixe uma mensagem ou algum conselho para os escritores iniciantes.
1 - Leia - não apenas o que faz parte do seu tema. Se quiser escrever um suspense policial não se limite a Agatha Christie e Sherlock. Passe por Saramago, Erico Veríssimo, e não se vicie em um tipo de literatura, para não se tornar apenas uma releitura, um apanhado do que já existe;
2 - Não se apegue à história. Às vezes, é necessário tirar esse personagem ou aquele trecho de que gostamos muito;
3 - Persista. Depois de tudo pronto, o caminho até a publicação não é divertido. Será preciso lembrar-se das razões que o levaram até ali. 

Caso vocês queiram conhecer melhor o Gustavo e a obra dele ou até mesmo fazer mais perguntas, o link da página do livro está aqui. Em breve teremos mais entrevistas, aguardem! 
Beijos!!

Por: Daniele Lages

0 comentários:

Deixe seu comentário