Sessão da Meia Noite: Crítica - 50 Tons de Cinza






Então... na Sexta-Feira eu, Grazy, eu fui pro cinema conferir a adaptação de 50 Shades of Grey. E não tive muita surpresas. Bom, confira abaixo as impressões minhas e futuramente de alguns outros colunistas do blog sobre o filme (outras opiniões serão acrescentadas aqui). Há divergências ;)



Aviso logo que não me responsabilizo por menores de 18 anos lendo a crítica.  Então, estão proibidos.

Grazy

Primeiro, vou falar do que gostei:


A trilha sonora não decepcionou, especialmente por essa versão maravilhosa de Crazy in Love. Isso foi shooows. As cenas de comédia foram bem colocadas e algumas outras cenas, que não foram de comédia, mas acabaram se tornando, até que fizeram valer metade do preço do ingresso. A atuação da Dakota foi muito boa. Se compararmos as duas Bellas, podemos dizer que esta teve uma boa representante (mas quem não ganha da Kristen no quesito atuação?) já o Jamie me decepcionou. Até a voz dele tava um porre. Cara, cadê o caçador gostoso de Once Upon a Time? E por último - as cenas de nudez ficaram artísticas. Achei que seria vulgar, mas não tava. Aprovei.Fora isso, eu tive o mesmo problema que tive com o livro: o enredo. Ou a falta dele. 

Vou tentar não me estender demais no texto, mas basicamente é isso: o desenrolar da ''trama'' se dá com Anastasia, 21 anos, insegura, nunca teve um relacionamento, virgem, problemas com o pai (alguém aí disse Bella?) conhece Christian Grey, lindo, poderoso, jovem, rico e mandão. Por algum motivo (que os que leram o livro 3 já sabem) se encanta com Ana e resolve que ela seria sua próxima submissa. Só que há um problema aí. Vocês viram que eu mencionei ela ser virgem e inexperiente, né? Então porque caralho a guria resolve se meter numa relação doentia dessas? Em três dias, não mais do que isso e logo depois de ver ''O Quarto Vermelho da Dor'' a garota resolve abrir as pernas pra um cara que ''não faz amor, fode com força''. Isso não faz sentido. E o resto do filme se passa com Christian e Ana trepando e vivendo suas vidas em demonstrações claras de tudo que um relacionamento não deve ser. 

Meu maior problema, ou preocupação com esse livro/filme é que ele foi vendido para pessoas menores de 18 anos, até meninas de 13 e jogada na mídia como um romance. Isso não é uma história de amor! É o conto de duas pessoas emocionalmente perturbadas (Christian principalmente) que por um infeliz acaso do destino se encontraram. Christian, por causa de sua infância traumática, tem uma visão pervertida do amor e Ana por falta de modelos paternos aceita as condições de relacionamento de Grey. Não me venham com mimimi de ''ah, mas ela foi por que quis''. Ela não deveria querer! Não é saudável pra ninguém uma relação baseada em dor e humilhação. Os adeptos ao BDSM que estruturam seu relacionamento nisso não são saudáveis. Afeto não se constrói a partir de surras, como é mostrado no livro/filme. O (duvidoso) amor de Ana nunca curaria Christian na vida real. O problema dessa história, é que livros com tamanha cobertura midiática tem o poder de moldar comportamentos/personalidades. Eu vejo muita menina dizem que quer um Christian. Pelamor... NÃO. Você não quer um maníaco fudido obsessivo que não sabe o que é amar e não sabe sentir prazer saudável. Você deveria querer alguém que cuide de você e faça todo o possível pra evitar seu sofrimento. Você não quer alguém que se faz o ar que você respira, mas alguém que torne seus dias felizes. Não alguém que você quase morreria caso o relacionamento terminasse, mas alguém que no fim você percebesse o quão bem ela fez para você/sua vida. Entendem o problema? A relação deles, na vida real, não teria como dar certo. Eles não se casariam, não teriam filhos (e se tivessem, ai meu pai...) e Christian não largaria o sadomasoquimos. Esse livro/filme só mostrou o quão deturpados estão os conceitos de amor e prazer e como é fácil manipular a cabeça das pessoas. Além de problematizar os adeptos saudáveis do BDSM. 

Fazendo minhas as palavras de uma colega: Doeu quando vi ele dizendo que ''resolveria o problema da virgindade dela''. 
Por que as pessoas acham isso romantico e querem isso pra elas?

A minha opinião é: Se puder evitar que seus filhos vejam, evite. Esse tipo de literatura/cinema só pode ser aproveitada pra quem tem a cabeça no lugar, afinal apesar do óbvio enredo ruim e trama fraca, o gênero do livro/filme é o erótico e isso ele cumpre.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Rávellyn

Acredito que toda experiência cultural é válida, mas concordo absolutamente quando diz que uma obra dessas deve ser contemplada por pessoas aptas a lidar com esse tipo de realidade/ficção. 50 Tons esteve presente na entrada de todas as livrarias que frequento durante bastante tempo e depois foi aos poucos substituído por 50 tons na prática, 50 tons de prazer, Toda Sua, e diversos outras obras de autores que embarcaram no vácuo deixado pela autora que virou best seller mundial com 50 shades of Grey. Apesar de acreditar que o livro é basicamente um livro erótico que buscou ter um "romance" como background, não julgo quem admira o gênero ou a obra, mas definitivamente não me cativou. Detesto personagens femininos fracos e Annastacia me dá nervoso, talvez por tantas semelhanças com a Bella, talvez por ser um recurso básico de escritores que buscam atingir as massas criando um personagem ambíguo, sendo absurdamente frágeis e com auto-estima no pé e ao mesmo tempo poderosas do tipo que querem morrer aos 17 anos e virar vampira por conta do primeiro amor do ensino médio, ou perder a virgindade com um cara que admite que quer fodê-la com força ao invés de fazer amor. Crepúsculo para maiores de 18, sem mais.

5 comentários:

  1. Parabéns pelos inteligentes e lúcidos comentários.

    ResponderExcluir
  2. Acredito que toda experiência cultural é válida, mas concordo absolutamente quando diz que uma obra dessas deve ser contemplada por pessoas aptas a lidar com esse tipo de realidade/ficção. 50 Tons esteve presente na entrada de todas as livrarias que frequento durante bastante tempo e depois foi aos poucos substituído por 50 tons na prática, 50 tons de prazer, Toda Sua, e diversos outras obras de autores que embarcaram no vácuo deixado pela autora que virou best seller mundial com 50 shades of Grey. Apesar de acreditar que o livro é basicamente um livro erótico que buscou ter um "romance" como background, não julgo quem admira o gênero ou a obra, mas definitivamente não me cativou. Detesto personagens femininos fracos e Annastacia me dá nervoso, talvez por tantas semelhanças com a Bella, talvez por ser um recurso básico de escritores que buscam atingir as massas criando um personagem ambíguo, sendo absurdamente frágeis e com auto-estima no pé e ao mesmo tempo poderosas do tipo que querem morrer aos 17 anos e virar vampira por conta do primeiro amor do ensino médio, ou perder a virgindade com um cara que admite que quer fodê-la com força ao invés de fazer amor. Crepúsculo para maiores de 18, sem mais.

    ResponderExcluir
  3. Amei sua review, Grazy! Concordo com tudo! Os fãs precisam saber separar as coisas e parar de defender o inaceitável. Por exemplo, até mesmo os fãs de Game of Thrones (não estou comprarando as obras do incrível George R.R. Martin com essa autora, ela nem merece ser citada ao lado dele), mas continuando, os fãs de GOT são incrivelmente fiéis mas muito críticos, reclamam e com razão quando as coisas ficam mais "deturpadas" na série de TV, mesmo tendo lido e amado os livros. Isso prova que o que falta em alguns fãs desse trilogia é senso crítico e maturidade de saber reconhecer e criticar os livros/autores quando os mesmos pisarem na bola como essa autora fez nos 3 livros que ela "escreveu".

    ResponderExcluir