Resenha: Dartana | André Vianco

Título: Dartana
Autor: André Vianco
Editora: Fábrica 231
Páginas: 783
Classificação: Nenhum texto alternativo automático disponível. Nenhum texto alternativo automático disponível.
Sinopse: Uma população pobre, vivendo a beira da miséria, sem capacidade de evolução, de ter ideias, além das crianças sofrerem do "mal do peito", uma doença sem cura. Toda população do planeta Dartana é vítima de uma maldição que impossibilita as idéias de todos. O pouco conhecimento que é permitido para os habitantes do planeta Dartana, é transmitido por feiticeiras que são avatares de um Deus que, de tempos em tempos desperta para lutar no Combatheon, afim de livrar o povo de Dartana da maldição...
Introduzindo "Dartana":

Embora o livro foque na história dos "dartanas" (povo), esse novo Universo de André Vianco tem como base o fato de vários planetas sofrerem a maldição do conhecimento. Todos os pensamentos fogem dos cidadãos de cada planeta. De tempos em tempos, as feiticeiras de cada planeta - pretendo falar sobre as "classes" mais pra frente - anunciam a chegada de um avatar/Deus, que conduz o povo do planeta para a batalha em uma outra dimensão, chamada de Combatheon, onde, a promessa é que o planeta vencedor vai se livrar da maldição.

O planeta Dartana, além disso, sofre com uma doença sem cura, que abate crianças. No livro, é chamado "mal do peito" - com a descrição de uma tuberculose. 

Os dartanas são encaminhados para o Combatheon, entram em sua primeira batalha e são surpreendidos por um exército gigante, Ahammit - o principal antagonista do livro. E são derrotados. Antes da morte do deus Belenus, ele entrega três presentes: Um para a sua feiticeira preferida (Dabbynne), outro para o seu general (Mander), e o presente da inteligência a Jeliath. A derrota dos dartanas é apenas o começo dessa história...

Quando o Deus do planeta surge, não vai pra batalha sozinho. Conduz vários escolhidos para guerrear ao lado de seu Deus. Os escolhidos são divididos em três classes, e eu vou falar um pouco mais delas aqui embaixo...

Classes e personagens:

Esse é um tópico para tentar introduzir as classes no Combatheon e de quebra, introduzir os principais personagens do livro, ficou um pequeno glossário. 

  • Deuses - Os deuses são o "carro chefe" da batalha. Lutam entre si para salvar o povo escolhido. São originários da Deusa-mãe Variatu e, nascem com o desejo de guerra. O livro não fala muito sobre as habilidades dos deuses, mas é mencionado que cada um possuem características próprias, como "o maior coração" ou "o braço mais forte". Uma das habilidades dos deuses descritas no livro é que as feiticeiras emanam o brilho da mesma cor dos deuses. Quando o Deus caía em batalha, suas feiticeiras perdiam os poderes, já que o poder do Deus é base para as feiticeiras... o Deus de Dartana, inicialmente se chama "Belenus". 


  • Feiticeiras - Responsáveis por ser o meio de comunicação entre o Deus e os súditos. As feiticeiras possuem a habilidade de voar, algumas também são guerreiras. No caso, as feiticeiras de Dartana possuem seu maior dom na cura. A principal personagem de Dartana, chama-se Dabbynne. Ela, antes do Deus guerreiro Dartana despertar, era uma jovem que vivia apaixonada por Jout, um rebelde desse sistema de batalha "interdimensional" pra se curar da maldição. Quando ela recebe o "dom", não sabe ainda, mas é uma das feiticeiras mais poderosas do Combatheon, que desperta a atenção de outros deuses para si...



  • Guerreiros - São o braço armado do Deus responsável pela luta no Combatheon. Durante a "colheita", o Deus nomeia o seu general - Mander - que é responsável por guiar o exército a vitória. Mander é um pai de família que deixou seus dois filhos no planeta Dartana sofrendo com o mal do peito. E vira uma pessoa obsessiva por sua família. Outros dois personagens englobam o ramo dos guerreiros, Thaidena - que é uma menina corajosa, que confunde coragem com imprudência. Tinha o sonho de ser uma guerreira do Combatheon e teve seu desejo atendido... e Parten, seu namorado. Covarde, que partiu para o Combatheon apenas para seguir a namorada. Parten tem um destaque interessante e é bem trabalhado no sentido de evolução. Pra mim, ele é, sem duvidas, um dos melhores personagens do livro.


  • Construtores - São responsáveis por construir as armas dentro do Combatheon. Os deuses possuem uma habilidade de se "comunicar" com avatares de outros planetas para criarem armas, e os deuses, através das feiticeiras, transmitem o conhecimento para os construtores. O principal personagem dos construtores é Jeliath. Um rapaz criativo, cheio de soluções para os dartanas durante o dia, mas que perde essas soluções da cabeça por vítima da maldição - aliás, a maldição é descrita no livro utilizando Jeliath como exemplo. Jeliath também é apaixonado por Dabbynne, mas sofre calado, pois sabe que ela está apaixonada por outro.

  • Há uma particularidade sobre os Deuses guerreiros. Quando eu disse que eles possuem a habilidade de, através de avatares, visualizar armas para os construtores, pois bem. Os avatares dos deuses são humanos. Humanos que são retratados por três personagens: 

    - Gláucia: uma doutora e pesquisadora. Atéia devido a acontecimentos em sua família, sofreu um baque com o suicídio de seu irmão mais novo. Possui uma personalidade forte e um forte senso de justiça;

    - Álvaro (sim, meu xará): dirigente de uma empresa de segurança particular. Irmão de Gláucia. Ateu. Também sofreu bastante, mais ainda que sua irmã, com a partida de seu irmão mais novo. Responsável direto pela sobrinha, deixada pelo irmão, antes de desaparecer e se suicidar devido a ocorrências estranhas

    - Doralice: sobrinha de Gláucia e Álvaro. Possui 4 anos de idade, uma mente ágil. Diferente dos tios ela acredita que uma deusa fala com ela, querendo que a criança mostre armas...
    Dito isso, explicado um pouco dos personagens dessa sopa maluca de André Vianco, acho que está na hora de falar um pouco sobre a história e o porque ela me cativou tanto...

    Resenha:

    O livro é bem dividido. Possui três grandes capítulos com várias subtramas, fazendo com que os personagens principais tenham um papel decisivo e, a cada "ato" fazer com que o leitor torça por cada um deles. 

    Embora seja uma ficção, tem como um dos pontos fortes, as suas referências. Tanto pelos planetas integrantes do Combatheon - que possuem as descrições parecidas com histórias e mitos antigos do planeta terra (como os homens-cachorros). Uma das referências e a mais fantásticas - que daria sim uma nova história nesse Universo - está na página 304 e se resume a três palavras.

    Os personagens também tem seu papel e seu momento de brilhar. A evolução de três, ou melhor, quatro personagens, chamam muita a atenção, principalmente a evolução de Parten. Um covarde que aprende a lutar por aqueles que ama, não por um ideal muito grande, como a vitória e "salvar" todo o planeta em que vive, mas por aqueles que estão ali do seu lado. Passa pela "coragem dos covardes" para se tornar alguém realmente corajoso. Embora tenha um personagem com o meu nome (e pelo mestre André Vianco), pra mim, o Parten é o melhor personagem do livro - e muito bem trabalhado.

    Além disso, possui outras referências de cunho religioso e pop (é, eu sei, a mistura é meio estranha). Um nome, por exemplo, Ogum - a terceira parte do livro é toda dele - que é o Deus de todas as raças - e o Deus é exatamente como a descrição da wikipedia traz do Deus iorubá -, além de Frankenstein, e até a história da Bíblia, entre outras e diversas referências. Nas batalhas "campais" dignas de Senhor dos Anéis ou qualquer outro filme épico. 

    Concluindo:

    Dartana é um livro que facilmente daria para ser comparado a uma iguaria. Quer dizer, os ingredientes separados não dariam uma boa refeição, mas eles se juntam, com alguns desdobramentos interessantes e se misturam e fazem a melhor iguaria que você já comeu. De verdade, eu me emocionei com o final. 

    Alguns leitores dizem que os livros, quando são terminados, dão uma sensação de tristeza e vazio. Claro que isso já aconteceu comigo sim, mas com Dartana foi diferente. Já aconteceu isso com outros livros (a trilogia "O século" do Ken Follett), mas, a sensação de felicidade por ter chegado ao fim da jornada maravilhosa proposta por André Vianco foi muito forte. 

    Como eu disse no meu instagram: "Dartana é uma viagem fantástica, intensa, emocionante, maluca e ao mesmo tempo calma. Pontuada com todos os temperos necessários para que um livro de fantasia seja um bom e cativante livro... acho que dificilmente me desapegarei de Dartana. Assim como não desapeguei dos anjos Thal e Gregório, do vampiro Samuel, dos Sete do Rio D'Ouro, da Vampira Calíope, do Vampiro Jó. Da Bruxa Tereza, do Bento Lucas. Poderia falar de todos os outros personagens marcantes e fantásticos do autor, mas ficaria muito longo. A literatura fantástica brasileira respira." Acho que isso resume bem o que é e foi Dartana. Um trabalho de muito tempo, entregue pela mão do, pra mim, melhor autor brasileiro de literatura fantástica. 

    Embora já haja um burburinho que Dartana terá continuação, pra mim é um livro completo, não precisa de mais. Se tiver, será bem-vindo, mas senão, também é uma obra única interessante.

    0 comentários:

    Deixe seu comentário