Resenha: Espada de Vidro - A Rainha Vermelha #2 | Victoria Aveyard

Título: Espada de Vidro - A Rainha Vermelha #2
Autor: Victoria Aveyard
Editora: Seguinte
Número de páginas: 496
Classificação: 
Sinopse: “Se sou uma espada, sou uma espada de vidro, e já me sinto prestes a estilhaçar.”
O sangue de Mare Barrow é vermelho, da mesma cor da população comum, mas sua habilidade de controlar a eletricidade a torna tão poderosa quanto os membros da elite de sangue prateado. Depois que essa revelação foi feita em rede nacional, Mare se transformou numa arma perigosa que a corte real quer esconder e controlar.
Quando finalmente consegue escapar do palácio e do príncipe Maven, Mare descobre algo surpreendente: ela não era a única vermelha com poderes. Agora, enquanto foge do vingativo Maven, a garota elétrica tenta encontrar e recrutar outros sanguenovos como ela, para formar um exército contra a nobreza opressora. Essa é uma jornada perigosa, e Mare precisará tomar cuidado para não se tornar exatamente o tipo de monstro que ela está tentando deter.




                                                – Resenha –

 

Resenha do primeiro livro da série: aqui.
“Uma vez eu lhe disse para esconder seu coração. Você devia ter escutado. — Essas foram as últimas palavras dele para mim, antes de nos condenar à morte. Queria que não tivesse sido um conselho tão bom.”

Acho que o lema dessa série é “não confie em ninguém”. E é bom não confiar nem em Victoria Aveyard, pois ela gosta de enganar o leitor, e trazer reviravoltas o tempo todo. hahaha

Mare não é mais aquela vermelha inocente e pobre, mas também não é aquela lady prateada poderosa. Ela está confusa, irritada e extremamente perigosa.


Depois da traição de Maven, todos estão perturbados, perdidos, chateados, irritados… e nem sei mais que palavras utilizar pra descrever. Maven é um vilão que, mesmo não participando da cena ativamente, está na mente das pessoas. Ele aterroriza. 

 O livro é tenso o tempo todo, cheio de acontecimentos: momentos em que ficamos de coração apertado e momentos em que dá vontade de socar o livro. 
 
Gostei do desenvolvimento da história. Agora a autora nos mostra mais sobre a Guarda Escarlate e também os Sanguenovos. A ambientação vai se tornando maior e nos entendemos mais no mundo distópico em que tudo ocorre. Cal agora está no meio dos vermelhos, e sentindo na pele o que Mare sentia lá na casa dele. Porém, tem o plus da traição do irmão e morte do pai…


O final deste livro conseguiu me fazer mais curiosa do que o final do primeiro. Quero TANTO o próximo! 


Pra finalizar: Cal é meu personagem preferido; Maven é um vilão odiadíssimo; Mare está instável demais; adoro Farley; Kilorn parece ser um personagem #friendzone, quero mais dele. E temos personagens novos muuuuuito legais!


“E digo novamente. Todo mundo, tudo, pode trair todo mundo. Até seu próprio coração.”


Recomendo a leitura 

1 comentários:

  1. OMG! Quero tanto ler algum livro dessa mulher, ela parece ser incrível. Tô com A Rainha Vermelha aqui, mas eu olho para o livro e ele olha para mim e não rola aquele clima, mas agora em abril darei uma chance para a Rainha Vermelha, amei a resenha desse. Até mais flor.

    Davidson,
    http://www.meninoliterario.com.br/

    ResponderExcluir