Resenha: The Heart of Betrayal - Crônicas de Amor e Ódio #2 | Mary E. Pearson

Título: The Heart of Betrayal
Autor:  Mary E. Pearson
Editora: Darkside Books
Número de páginas: 402
Classificação:   
Sinopse: Em The Heart of Betrayal — Crônicas de Amor e Ódio v.2, Lia e Rafe estão presos no reino barbárico de Venda e têm poucas chances de escapar. Desesperado para salvar a vida da princesa, Kaden revelou ao Vendan Komizar que Lia tem um dom poderoso, fazendo crescer o interesse do Komizar por ela.

Enquanto isso, as linhas de amor e ódio vão se definindo. Todos mentiram. Rafe, Kaden e Lia esconderam segredos, mas a bondade ainda habita o coração até dos personagens mais sombrios. E os Vendans, que Lia sempre pensou serem selvagens, desconstroem os preconceitos da princesa, que agora cria uma aliança inesperada com eles. Lutando com sua alta educação, seu dom e sua percepção sobre si mesma, Lia precisa fazer escolhas poderosas que vão afetar profundamente sua família... e seu próprio destino.



                                                – Resenha –



“Seriam necessários muitos atos, e não apenas um, todos os passos renegociados. Mentiras teriam que ser tentadas. Confianças, conquistadas. Limites desagradáveis, cruzados. Tudo isso pacientemente entremeado, e paciência não era meu ponto forte.”
The Heart of Betrayal é o segundo volume da série Crônicas de Amor e Ódio, o primeiro e maravilhoso é o The Kiss of Deception. Como disse lá na resenha do primeiro, essa série tem uns cliches mas te engana porque você acha que sabe o que está acontecendo, e na verdade não sabe de nada (inocente!)


E agora que estou falando do segundo, temos spoiler do primeiro e queria dizer que eu achava que o Kaden era o príncipe! #FuiEnganada.
“Havia apenas uma coisa que alguém com grande poder desejava. Mais poder. Eu sabia disso em primeira mão.”
Agora Lia, Kaden e Rafe estão em Venda. E o livro continua exatamente onde o anterior parou. O legal é que a gente conhece Venda junto com Lia, tendo várias explicações sempre nos capítulos em que ela narra. A principal informação é: Komizar é o líder. Ele é cruel, e a gente conhece dois lados: o cruel e o que salvou dois personagens. Fica agora o pensamento: como ele se tornou cruel assim? Ou será que ele sempre foi cruel e só ajudou outras pessoas para continuar crescendo e tendo mais poder?

Aliás, importante: em Venda não há hereditariedade na liderança. Se você quer ser Komizar, você mata o atual e fica no lugar dele. Outra diferença imensa é que em Venda eles dizem que ‘não há crianças’, pois ser criança é um luxo que não se pode ter.
“Alguma coisa não está certa. Mas nada estivera certo por tanto tempo que eu não tinha certeza de por que uma preocupação fazia diferença.”
Gostei muito de conhecer a história de Kaden. Lembro que no fim do primeiro livro passei raiva quando vi que ele era o assassino. Agora o personagem tem muito mais profundidade. Achei importantíssima essa parte, pois o Assassino não é 100% ruim e muito menos 100% bom.

Lia continua sendo aquela personagem forte, que foge dos padrões e não deixa ninguém rebaixá-la. Curto muito sua personagem. Rafe não aparece tanto assim, e estou ansiosa para conhecer mais dele no último volume da trilogia.

Esse segundo volume não foi nem um pouco ‘enrolador’, como alguns são. A autora nos apresentou a Venda e a vários personagens, nos surpreendendo com muitos acontecimentos. E preciso dizer que continuo amando a escrita de Pearson! Os personagens secundários aqui foram ótimos, eu gostei demais deles. Mas se você espera ação, sinto dizer, só tem no final do livro… aliás o modo como esse livro acaba é um absurdo! Eu quero pra ontem o último!


“Vale a pena ter sonhos que não sejam grandiosos?”






0 comentários:

Deixe seu comentário